Mocidade da Nova Corumbá volta a ser criança e encanta avenida

Renê Marcio Carneiro 23 de fevereiro de 2020
Mocidade da Nova Corumbá volta a ser criança e encanta avenida

A Mocidade Independente da Nova Corumbá entrou na passarela do samba na noite de domingo, 23 de fevereiro, e fez todos voltarem a ser criança com o samba- enredo “Como é doce ser criança outra vez”. O desfile relembrou brincadeiras de antigamente, vivo-morto, pega-pega; os super-heróis e as contações de histórias materializando todos esses personagens. 

Comissão de Frente com 12 componentes representou a ‘Contação de história’, o início de tudo. Através de nossos pais e avós fomos apresentados ao mundo encantado das histórias. Tiradas dos livros as personagens se materializavam em nossas mentes e incorporávamos esses personagens, viajamos em seu mundo.

Primeiro Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira com as fantasias Peter Pan e Wendy, representaram personagens, criados pelo escritor James Mattew Barrie, em que Peter aquela criança que além de poder voar se recusa a crescer, e sua companheira de aventura a Wendy que é a ligação do mundo da fantasia e a realidade.

Bateria os “Piratas” representou as aventuras pela terra do nunca, Peter e Wendy deparam-se com os personagens vilões: James Gancho e a horda de piratas.Com 105 ritmistas.

Carro Abre-Alas trouxe a Terra do Nunca, ilha fictícia da história de Peter Pan, onde esse morador ilustre recusa a crescer. Também usada metaforicamente para justificar o comportamento eternamente infantil. A arara, símbolo da agremiação, pousa na terra do nunca e assenta ali o título distintivo da escola. Seguido pelo tripé Mundo Encantado. 

Desfile trouxe sequência de brincadeiras infantis: Ciranda Cirandinha, Polícia e Ladrão, Morto Vivo. 

Ala das Baianas com fantasia “Boneca de Pano”. Lembrou que o hábito de fazer o próprio brinquedo sempre foi a maior diversão. Total de 21 componentes. 

Carro alegórico Castelo Encantado lembrou o sonhar acordado. Entrar num castelo encantado. Certamente toda criança tem em seu pai e sua mãe os seus maiores heróis, mas mesmo assim todas um dia sonharam em poder ter o encanto de suas princesas e vestir a roupa e viajar pelas aventuras imaginárias extraídas dos contos e dos cantos.

Novas alas representaram brincadeiras infantis com Bolinha de Gude, Salada Mista, Cavalinho de Pau e Marcha Soldado.

Carro Alegórico “Brincadeiras de Crianças” trouxe a saga de fazer o próprio brinquedo, colocar em prática os projetos; a tentativa e os erros, a busca de fazer o carrinho mais veloz, o pique-esconde, soltar bolhas de sabão. 

Destaque desta alegoria é a fantasia brincadeira de “cobra cega”, que em algumas regiões usa se a expressão cabra-cega em outras aceita-se as duas, entretanto na região pantaneira usa se a primeira para essa brincadeira emblemática. Ala coreografada relembrou a brincadeira de pular cordas; seguida por Amarelinha, Futebol de Várzea e Soltando Pipas.

Carro Alegórico Festa infantil e a festa do imaginário infantil. Criança tudo quer, tudo pode em suas festas, guloseimas, duendes, até uma casa feita de doces. Finalizou o desfile a ala Galeria da Velha Guarda  com fantasia “E o tempo passou…” retratando como é doce ser criança outra vez.