Isolados pela seca do rio, ribeirinhos do Taquari são atendidos pelo Povo das Águas

Com apoio do 6º Distrito Naval, a Prefeitura de Corumbá preparou uma grande operação para atender os ribeirinhos da região do rio Taquari. Nessa parte do Pantanal corumbaense, a seca total do rio isolou ainda mais as cerca de 230 famílias que vivem ali, obrigando a Secretaria Especial de Cidadania e Políticas Públicas a reorganizar o funcionamento do programa Povo das Águas.

“Antigamente, todo o atendimento era feito pelo rio. O barco subia até onde era possível a navegação e depois as equipes seguiam em botes menores até os portos. Com a seca do Taquari, isso ficou impossível e o prefeito Marcelo Iunes orientou a buscarmos outra alternativa para atender aquelas pessoas”, explicou a secretaria especial Amanda Balancieri Iunes, responsável pela pasta.

Antigo leito do Rio Taquari na região da fazenda Sairú (Foto: Clóvis Neto)
Antigo leito do Rio Taquari na região da fazenda Sairú (Foto: Clóvis Neto)

“Para essa ação emergencial, a parceria da Marinha foi fundamental”, completou a coordenadora-geral da Ação Social. Foram três caminhões do 6º DN seguindo por terra com parte da equipe e com as 230 cestas básicas distribuídas aos ribeirnhos, além de um helicóptero. A aeronave fez três viagens levando o médico, a enfermeira e as vacinas contra o H1N1. Por terra, o grupo percorreu mais de 400 km (ida e volta) em dois dias de viagem.

Por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social, foram distribuídos 230 cobertores e foram repassadas as orientações sobre a pandemia do novo Coronavírus, com a entrega de panfletos e informações sobre o Auxílio Emergencial do Governo Federal. Foi recomendado que eles não fossem à cidade nesse período.

Já a Secretaria Municipal de Educação realizou a entrega de 61 kits alimentares (atendimento emergencial aos alunos), e de mais 92 atividades escolares aos alunos da REME. O agente da Defesa Civil auxiliou nas entregas dos materiais e no preenchimento dos recibos dos benefícios eventuais.

A Secretaria Municipal de Saúde, além dos atendimentos médicos-emergenciais, realizou por meio do médico e da enfermeira, nos três locais de atendimento, uma breve palestra sobre a pandemia. Numa linguagem simples e esclarecedora, eles falaram sobre os cuidados necessários na cidade, caso precisem ir: uso de máscaras, uso do álcool em gel, como lavar as mãos e etc.

Houve também a dispensação dos medicamentos de uso contínuos como hiperdia e diabetes, medicamentos controlados, planejamento familiar, vacina Influenza ao grupo de risco (idosos, gestantes, crianças até 06 anos, pessoas que fazem uso de medicamentos). Nesta primeira ação emergencial, foram assistidas as famílias das colônias Rio Negro, Corixão, Cedrinho, Cedro e do São Domingos.

Difícil aceso

A viagem emergencial do Programa Social Povo das Águas começou no dia 22 de abril, às 5h40 da manhã, com a saída em frente da Secretaria Especial de Cidadania e Políticas Públicas, localizada na Rua XV de Novembro, com destino à Escola Nazaré na Colônia do Cedro, local de apoio da equipe.

Na caminhonete que conduziu a equipe estavam a coordenadora do Programa Social, a técnica do CRAS Itinerante da Assistência Social, a coordenadora das Escolas das Águas e a técnica de enfermagem. Nos caminhões do 6º Distrito Naval foram a vacinadora, o agente da Defesa Civil e um fotógrafo da Prefeitura.

No retorno, dia 27 de abril, uma das caminhonetes ficou atolada no percurso, sendo necessário o auxílio de um trator para a liberação da mesma. “Importante ressaltar a valorosa parceria com a Marinha, em especial ao brilhante trabalho desenvolvido pelos Fuzileiros Navais, que se mostraram bastante conhecedores, se empenhando na execução de cada tarefa e obstáculos, mediante a um excelente comando, oferecendo o melhor de si mesmos”, comentou Elisama de Freitas Cabalheiro, coordenadora da Ação.

“A equipe de trabalho fica satisfeita por estar resguardada por profissionais competentes e exemplares. Fica a recomendação para que possam, em outras ocasiões de atendimentos ao Taquari, contar novamente com esses mesmos parceiros nessa difícil missão que é levar a presença do Poder Público nessa área que continua sendo de difícil acesso, antes por água, num rio assoreado e cheio de entupimentos e agora com muita areia, lama e sem água em seus corixos, com um rio completamente seco”, finalizou Elisama.