COVID-19: Prefeitura já acionou Sanesul e busca assegurar alimentação de famílias carentes

Apesar de não ter nenhum caso confirmado do novo Coronavírus (COVID-19) diagnosticado no Município, a Prefeitura de Corumbá vem, desde a semana passada, adotando uma série de medidas para evitar que a pandemia provoque mortes e prejuízos socioeconômicos para a população.

Nessa quinta-feira, 19 de março, o Executivo entrou em contato com a Sanesul e solicitou que a empresa – responsável pelo abastecimento de água e esgoto na cidade – não suspenda o fornecimento de nenhuma família pelos próximos 120 dias (4 meses).
“A água é fundamental para evitar que essa doença se espalhe pela região, porque o melhor jeito de prevenção é lavar as mãos e redobrar os cuidados com a higiene pessoal”, lembrou o prefeito Marcelo Iunes. A solicitação foi feita diretamente ao presidente da Sanesul, Walter Carneiro Junior, via e-mail. O Ofício 084-2020 foi despachado nesta sexta-feira.

“Sabemos que o sustento de muitas famílias ficou comprometido com a suspensão dos eventos, dos shows e da aglomeração de pessoas, mas essa é a única forma de combatermos essa nova doença, que infelizmente tem castigado o Mundo inteiro. Evitar o corte de água por falta de pagamento é uma forma de garantir um pouco mais de dignidade e de segurança às pessoas mais afetadas por essas medidas necessárias até aqui”, complementou o chefe do Executivo municipal.

O mesmo pedido também foi feito à Energisa, responsável pela distribuição de energia elétrica. “Precisamos urgentemente do apoio desta empresa na tentativa de minimizar os efeitos de uma crise econômica que se avizinha e, uma das formas é propiciar condições mínimas, que seja, de bem-estar das pessoas. E a garantia do fornecimento de energia elétrica é uma questão de saúde pública, inclusive”, ressaltou o prefeito no ofício.

A segurança alimentar das famílias em situação de vulnerabilidade social é outra preocupação da Prefeitura. “Estamos estudando uma forma de permitir às famílias que não estejam beneficiadas por nenhum programa de apoio social do Governo Federal ou Estadual e cujos filhos estejam matriculados na REME (Rede Municipal de Ensino), de receberem uma alimentação digna durante esse período de guerra contra o Coronavírus”, prosseguiu o prefeito.
“Está sendo feito um levantamento, pela Secretaria Municipal de Educação e pela Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos, dos estudantes da REME cujos responsáveis não façam parte de nenhum programa de transferência de renda. Com esse quantitativo, vamos buscar um meio de garantir a segurança alimentar dessas famílias”, finalizou Marcelo Iunes.