Corumbá deve receber inseticida no dia 20, segunda-feira

A previsão do recebimento do inseticida (fumacê) pelo Estado é a manhã do dia 20, segunda-feira, quando o material será imediatamente encaminhado para Corumbá. Como conta o Secretário de Saúde, Rogério Leite “conversei pessoalmente com o Secretário Estadual de Saúde e sua equipe, quando solicitei o apoio do Estado. Toda logística da busca e o uso em nossa cidade já está organizada e assim que o inseticida chegar na capital será encaminhada para Corumbá. O inseticida é um auxilio; o  combate a essa doença depende, em grande parte, do trabalho do próprio cidadão em eliminar o foco de dentro de sua casa”.

“Cabe ressaltar que a finalidade do fumacê é separar o macho da fêmea mecanicamente, o que não diminui novos casos. Os ovos depositados nos criadouros irão eclodir e povoar os domicílios de novos insetos. As ações individuais e da comunidade é que possui impacto efetivo nesse momento”, complementa o Secretário.

 

O plano anual de contingência de dengue está implantado na rede municipal desde novembro, quando foi iniciado o combate mais expressivo.

 

Segundo o Ministério da Saúde, 11 Estados  brasileiros poderão ter um surto em 2020. A intensidade de circulação desses sorotipos se alterna pelo país de tempos em tempos. No final de 2018, começou a circular principalmente no Sudeste e Centro-Oeste um tipo diferente dos anos anteriores, o sorotipo 2, denominado dengue grave, popularmente conhecida por hemorrágica.

 

É fundamental que o paciente procure as Unidades de Saúde logo no início dos sintomas. Esclarecemos que no Município há estoque necessário de soro fisiológico e soro de reidratação oral, utilizados no processo de recuperação.

 

Os principais sintomas da dengue são:

  • Febre alta, maior de 38.5ºC.
  • Dores musculares intensas.
  • Dor ao movimentar os olhos.
  • Mal estar.
  • Falta de apetite.
  • Dor de cabeça.
  • Manchas vermelhas no corpo.

O Estado declarou que os municípios de Alcinópolis, Caracol e Cassilândia aparecem com alta incidência da doença, onde o número de casos é de 300 ou acima disso a cada 100 mil habitantes.

Já São Gabriel do Oeste, Bataguassu, Sete Quedas, Jardim, Corumbá, Deodápolis, Pedro Gomes, Bonito, Sonora, Aral Moreira, Rio Verde e Novo Horizonte do Sul estão com média incidência, ou seja, de 100 a 300 casos por 100 mil habitantes.