Festival América do Sul Pantanal traz homenagens a nomes corumbaenses

Com investimento público e privado, a realização do 15º Festival América do Sul Pantanal (FASP) entre os dias 14 e 17 de novembro de 2019 em Corumbá e Ladário deve movimentar até R$ 18 milhões na economia de Mato Grosso Sul. O cálculo foi feito pelo governador Reinaldo Azambuja nesta quarta-feira (16) em Campo Grande, durante o lançamento do evento com a presença do cantor sertanejo Zezé Di Camargo, da dupla com o irmão Luciano.

“Estudos mostram que a cada R$ 1 investido na realização de eventos culturais, R$ 5 retornam para a economia local. Esse ano o Governo do Estado está investindo R$ 3,6 milhões na estruturação do Festival América do Sul Pantanal. Então, podemos pensar no importante retorno para a região pantaneira com a ocupação hoteleira, de restaurantes, bares, atrativos turísticos e muito mais”, afirmou Reinaldo Azambuja.

O governador destacou ainda a importância da manutenção do FASP e das parcerias com o setor privado. Abrasel-MS, Caixa Econômica, Energisa, MSGás, Sanesul, Sebrae, Senac e Vale patrocinam o Festival América do Sul Pantanal 2019. “Vencemos as dificuldades postas e, com apoio dos parceiros, vamos realizar um festival com mais de 50 artistas, que vai integrar as culturas da América do Sul”, comentou.

Durante o lançamento do FASP, a diretora-presidente da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS), Mara Caseiro, destacou a pluralidade do evento. “Corumbá é o coração da América do Sul. Tem em seu gene histórias de guerras e desavenças, mas também de união. A cidade reúne gente de todas as origens e é a Capital do Pantanal, pois abriga 60% do nosso santuário ecológico”, pontuou. Mara ainda ressaltou a “diversidade cultural de Corumbá, formada pela influência de povos do mundo inteiro”, revelada nas artes, culinária, música, artesanato e literatura.

“Tentamos reunir o que há de melhor em nosso Estado e nos países da fronteira, Bolívia, Paraguai e Argentina”, diz Mara, destacando ainda a contribuição do Festival com o meio-ambiente através de oficinas e palestras além da homenagem ao Rio Paraguai, responsável pela migração e colonização da cidade e pela diversidade sociocultural, que faz de Corumbá uma cidade única.

Depois da Festa do São João e do Carnaval, o Festival é o evento mais esperado na região, explica o diretor-presidente da Fundação da Cultura e do Patrimônio Histórico de Corumbá, Joilson Silva da Cruz, um dos grandes entusiastas e incentivador cultural, que pelo seu intenso trabalho, foi escolhido pela comunidade para ser homenageado durante o Festival.

O Festival deste ano vai contar com mais de 50 atrações nacionais e internacionais, com música, literatura, oficina, teatro e dança. Fundada há 241 anos, Corumbá respira e transpira cultura: “Somos o cordão umbilical que une a região aos demais países da fronteira”, declarou Joilson. O Festival América do Sul Pantanal  é uma realização do Governo do Estado com apoio e parceria da Prefeitura Municipal de Corumbá.

Nesta 15º edição, serão homenageados também o escritor corumbaense, Hélio Serejo (in memorian), o cantor e compositor Paulo Simões – autor (junto com Geraldo Roca) de uma das canções mais emblemáticas do Mato Grosso do Sul – “Trem do Pantanal”; além do artista plástico Edson Castro, um dos expoentes das artes do Estado – atualmente radicado em Paris, e por último, mas não menos importante, a homenagem a religiosidade do povo corumbaense através da curandeira Cacilda, ambos indicados pela Câmara Municipal de Corumbá. Com informações da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS).

**Foto: Daniel Reino/FCMS