Prefeitura realiza 1° Workshop de Esporotricose com profissionais da Fiocruz

No dia 27 de agosto, a Prefeitura de Corumbá irá realizar o 1° Workshop de Esporotricose, uma micose provocada por fungos que afeta humanos e animais, danificando os vasos linfáticos e pele (75%), mas também pode afetar pulmão, ossos, cérebro ou articulações.


O curso será ministrado por profissionais do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas – Fiocruz, Sandro Antonio Pereira, médico veterinário, chefe do Laboratório de Pesquisa Clínica em dermatozoonoses em animas domésticos, e pelo pesquisador de dermatologia infecciosa, Dayvison Francis Saraiva Freitas.


O período matutino, das 7h às 11h30, será destinado a médicos, veterinários, profissionais de clínicas veterinárias, agentes de endemias, ONG e associações protetoras de animais. No período da tarde, das 13h às 17h30 para médicos, enfermeiros e técnicos.


O evento é gratuito e as inscrições podem ser realizadas pelo link https://forms.gle/M7YBg7wvDqbPMoqB8 ou na hora no próprio local, SENAC, Av.: América, 438, Centro.

 

Informações
Núcleo de Educação Permanente em Saúde – 3234 -3512
Centro de Controle de Zoonoses – Tel: 3907-5579

 

Conheça mais sobre a doença

A Esporotricose Humana é uma micose subcutânea que surge quando o fungo do gênero Sporothrix entra no organismo, por meio de uma ferida na pele. A doença pode afetar tanto humanos quanto animais.


A transmissão ocorre por meio da contaminação de ferimentos já abertos ou pela inoculação (entrada) do fungo na pele a partir de um trauma com espinhos, farpas de madeira, arranhadura, mordedura, entre outros, alcançando o tecido cutâneo e subcutâneo. O fungo Sporothrix schenckii não é capaz de penetrar a pele sem lesão.


Os sintomas da esporotricose aparecem após a contaminação do fungo na pele e o desenvolvimento da lesão inicial é bem similar a uma picada de inseto, podendo evoluir para cura espontânea.


Em casos mais graves, por exemplo, quando o fungo afeta os pulmões, podem surgir tosse, falta de ar, dor ao respirar e febre. Na forma pulmonar, os sintomas se assemelham aos da tuberculose. Mas também pode afetar os ossos e articulações, manifestando-se como inchaço e dor aos movimentos, bastante semelhante ao de uma artrite infecciosa.


As formas clínicas da doença vão depender de fatores, como o estado imunológico do indivíduo e a profundidade da lesão.