Em visita à futura sede, prefeito reforça apoio a Rede Feminina

O prefeito Marcelo Iunes visitou na manhã desta quinta-feira, 22 de agosto, a casa onde vai funcionar a nova sede da Rede Feminina de Combate ao Câncer de Corumbá (RFCCC). O imóvel fica localizado na rua 15 de Novembro, 1007, entre as ruas Colombo e Cabral, área central da cidade.

 

O Imóvel foi cedido pelo Município por meio de um Termo de Permissão de Uso de Bem Público. O Termo estabelece que o espaço deve ser utilizado para instalação da sede da Rede Feminina e desenvolvimento pleno de suas atividades, que visa o apoio a pacientes oncológicos e seus familiares.

 

De acordo com o decreto nº 2163 – de 04 de julho de 2019 – a permissão de uso é pelo prazo de quinze anos, possibilitada sua renovação.  A permissão é feita em caráter gratuito e precário, vedada outra destinação para o seu uso, que não a especificada. O decreto foi publicado na edição nº 1.700 do Diário Oficial do Município de Corumbá (DIOCORUMBÁ).

 

“É um compromisso da nossa administração. Temos a obrigação de ajudar entidades e instituições que, em seu trabalho diário, ajudam o Município. A Rede Feminina de Combate ao Câncer ajuda muito o Município com o serviço que prestam voluntariamente”, afirmou o prefeito.

 

Sabina Acosta da Costa, presidente da Rede Feminina de Combate ao Câncer de Corumbá, destacou a importância do imóvel para a instituição. “Não é fácil fazer o nosso trabalho e chegar ao final do mês ter de pagar o aluguel. Agora, vamos trabalhar com a certeza que vamos poder ajudar ainda mais nossos pacientes”, disse a presidente da Rede Feminina, que prevê a mudança para a nova sede ainda neste semestre.

 

Também acompanharam o prefeito na visita, a primeira-dama e secretária Especial de Cidadania e Direitos Humanos, Amanda Balancieri Iunes, o secretário Municipal de Governo, Cássio Augusto da Costa Marques, e os vereadores Tadeu Vieira e Manoel Rodrigues.

 

A Rede Feminina de Combate ao Câncer de Corumbá auxilia pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) com entrega de cestas básicas, fraldas e até com suplemento nutricional, fundamental para quem está passando pelo processo de quimioterapia. Esses pacientes são cadastrados e passam a receber ajuda tanto de alimentos quanto financeira. Para isso, a Rede conta com o voluntariado de uma advogada e de assistentes sociais que agilizam esses pedidos. Além disso, fisioterapeutas, psicóloga, nutricionistas e terapeuta reiki também atuam como voluntárias. No total, são mais de 20 mulheres ajudando nas atividades cotidianas da entidade.