Presidente da Fundação de Cultura e técnicos discutem restauração do ILA

O diretor-presidente da Fundaçaõ da Cultura e do Patrimônio Histórico de Corumbá, Joilson Silva Cruz, se reuniu nessa quinta-feira, 6 de junho, com a presidente da FCMS (Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul), Mara Caseiro, para discutir a restauração do ILA (Instituto Luiz Albuquerque).

 

Também participaram do encontro, realizado em Campo Grande, a arquiteta Joanita Ametlla, gerente de patrimônio da pasta, e a subsecretária de Infraestrutura, Tânia Dantas, além de integrantes do corpo jurídico e técnicos da gerência de Patrimônio Histórico e Cultural da FCMS.

 

O objetivo principal é concluir as especificações técnicas solicitadas pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) para aprovação do projeto arquitetônico e futura liberação de recursos para restauração do prédio.

 

Na semana passada, Mara Caseiro esteve em Brasília e conversou sobre o assunto com a presidente do IPHAN, Kátia Bogéa. Nessa quinta-feira, durante a reunião, ela telefonou para Brasília e falou com o diretor do Departamento de Projetos Especiais do IPHAN, Robson Antônio de Almeida. Ele garantiu que o órgão dará todo o apoio técnico para que o projeto seja concluído o mais rápido possível.

 

“Há algum tempo entraves têm atrapalhado a aprovação do projeto e consequente liberação dos recursos para as obras de revitalização tão necessárias no prédio do ILA. A partir desse nosso contato com a presidente e os técnicos do IPHAN, temos certeza de que as dúvidas serão sanadas, os problemas serão resolvidos, e vamos conseguir aprovar essa intervenção tão importante não apenas para Corumbá, mas para todo o Mato Grosso do Sul”, comentou Mara Caseiro.

 

O ILA faz parte do conjunto arquitetônico histórico de Corumbá, e foi construído há quase 150 anos. Ele está na lista dos prédios a serem restaurados com recursos do PAC das Cidades Históricas. A última intervenção no local ocorreu em 2014 e contemplou a reforma do telhado. De lá pra cá, foram feitas ações emergenciais no espaço. Com informações da Fundação de Cultura do Meio Ambiente (FCMS)