Brasil e Bolívia discutem desenvolvimento integrado na fronteira

A II Reunião do Comitê de Integração Fronteiriça Puerto Suárez – Corumbá, realizada pelo Ministério das Relações Exteriores e o Governo Boliviano discutiu necessidades e possíveis soluções para problemas comuns enfrentados na faixa de fronteira entre Brasil e Bolívia, na tentativa de promover a integração regional. A primeira reunião aconteceu em 28 de setembro de 2011, dando início às discussões entre os dois países. “É um exercício de confraternização e irmandade entre as comunidades para que possamos recolher e ouvir as inquietações e demandas das comunidades brasileira e boliviana para que possam ser analisadas e encaminhadas, em trabalho conjunto, às diferentes esferas dos dois governos”, informou a embaixadora brasileira Eugenia Barthelmess.

O embaixador Ricardo Martinez Covarrubia, diretor-geral de Relações Bilaterais do Ministério das Relações Exteriores da Bolívia, destacou a importância do Comitê de Fronteira. “Temos como objetivo fundamental a promoção da integração política, econômica, social, física e cultural das regiões sobre princípios de solidariedade, desenvolvimento sustentável, inclusão social através de entendimento franco e construtivo. É neste contexto que nos reunimos aqui”, frisou.

 

 Participaram do encontro representantes da Prefeitura de Corumbá, do Governo do Estado e dos governos dos dois países. “Em geral os governos centrais não observam a fundo a realidade cotidiana das cidades de fronteira, suas implicações e impactos positivos e negativos decorrentes de sua posição geográfica. Corumbá tem serviços com forte procura pelos bolivianos e sem contrapartida adicional do governo federal”, relatou o prefeito Marcelo Iunes.


Com o objetivo de abordar os grupos temáticos segurança pública; integração econômica e temas sociais, o comitê tratou de assuntos relevantes para o desenvolvimento na fronteira. “Tratamos da sanidade animal na fronteira, corredor bioceânico, gás, ureia e tratados internacionais de comercialização”, resume o secretário de Desenvolvimento Econômico e Sustentável, Luciano Costa.

 

O impacto da sanidade animal nos rebanhos da fronteira influencia a economia de ambos países, por este motivo, um dos tópicos levantados foi a vacinação contra brucelose e raiva, além de questões sobre a vigilância na produção agrícola e distribuição. O diretor-presidente da Iagro, Luciano Chiochetta apontou a necessidade de fortalecer as ações de vigilância nos dois lados da fronteira. “Na segunda quinzena de julho teremos uma reunião com profissionais da defesa sanitária para discutir políticas regionais referente sanidade, em especial a harmonização de procedimentos, como a vacinação contra febre aftosa nos dois lados da fronteira, realização de serviços de vigilância nas propriedades de forma compartilhada, e ainda a possibilidade da visitação em propriedades um do outro”.

 

Outro ponto levantado pelo grupo foi referente à importação de ureia. São 335 mil toneladas por ano do produto boliviano que entrarão no país pela fronteira de Mato Grosso do Sul. O terceiro tópico de foco econômico, foi a possibilidade de se criar um novo texto para atender as demandas locais e em caráter de urgência, com base no antigo Tratado de Roboré. Costa destaca: “Com a sinalização favorável do governo boliviano, poderemos articular, juntamente com o Governo do MS, o novo texto no Ministério das Relações Exteriores”.


Já o corredor bioceânico, último tópico abordado, que envolve Brasil, Bolívia, Peru e Paraguai, deverá ser aprovado até o fim do ano. O Ministério de Relações Exteriores da Bolívia deverá publicar um estudo nos próximos 20 dias analisando a malha rodoviária, ferroviária e hidroviária; o espaço aduaneiro; e solicitando tratativas para a renovação do contrato de gás que encerra em setembro de 2019 com a Petrobras.  


Do Brasil, participaram do evento os secretários municipais Cássio Augusto da Costa Marques (Governo); Alberto Saburo Kanayama (Finanças e Gestão); Rogério dos Santos Leite (Saúde); Mohamad Abdallah (Agricultura Familiar); o procurador Geral do Municipio, José Luis de Aquino Amorim; Ana Cláudia Boabaid (Fundação do Meio Ambiente); Cleiton Douglas da Silva (Agetrat); Isaque do Nascimento (Defesa Civil); José Antônio Assad e Faria (Agência Portuária); além de representantes da Secretaria Municipal de Assistencial Social; Cidadanias e Direitos Humanos e Fundação de Esportes de Corumbá.

 

Da Bolívia, participaram o prefeito de Puerto Suárez, Sebastian Hurtado Rodriguez; o cônsul do Brasil em Puerto Quijarro, Julio Boaventura Santos Matos, o cônsul da Bolívia em Corumbá, Armando Pacheco Gutierrez, o chefe da unidade de cooperação econômica do Ministério de Relações Exteriores, Martin Valdez Goytia e o presidente da Câmara de Indústria, Comércio e Serviço da Província de German Busch – Cainco, Luis Delgadillo Salazar.