Corumbá discute desenvolvimento econômico em evento estadual

Se o Encontro de Prefeitos e o Fórum de Secretários Municipais de Desenvolvimento, realizado  em parceria entre Fórum MS, Sebrae e Assomasul pudesse resumido em uma sentença seria: mudança de modelos. Realizado no auditório do Sebrae, nesta sexta-feira, em Campo Grande, a fim de promover soluções inovadoras em setores essenciais em cada um dos 79 municípios de Mato Grosso do Sul, em todas as palestras, a mudança de modelo na gestão pública municipal foi mencionada.

 

 

Com a proposta de colocar o conceito de cidades inteligentes em pauta, os agentes públicos do Estado – entre prefeitos, secretários de desenvolvimento econômico, deputados federais e estaduais e um ministro – foram desafiados. “Os gestores públicos precisam estar atentos às mudanças do mercado, atualizar o formato da prestação de serviço para uma política pública municipalista e, assim, promover a competitividade local”, enfatizou o presidente do Fórum MS, Renato dos Santos Lima. E complementou: “Com este encontro, queremos trazer para pauta essa preocupação com o desenvolvimento local, aliado às potencialidades de cada região e, no final do ano, poderemos apresentar ao governador um plano em conjunto”.

 

 

Representando o Município de Corumbá, o subsecretário de Desenvolvimento Econômico e Sustentável, Luciano Leite, destacou a importância do evento para a região. “Temos um contexto único, temos o Pantanal e a fronteira, e podemos usar essas características a nosso favor para diversificar a economia local. Como Poder Público, temos buscado soluções para fomentar os negócios locais e atrair investidores de outras regiões”, assegurou.

 

 

“Por mudança de modelo, nós entendemos que as ações voltadas para os municípios, individualmente, surtem mais efeito que uma estratégia global, pois são nas cidades que as pessoas moram e é lá que se percebe um ambiente favorável para viver e trabalhar”, aponta o presidente da Assomasul – Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul, Pedro Caravina.

 

 

Prefeito de Bataguassu, Caravina destaca a importância do desenvolvimento como pilar estratégico dos gestores municipais. “Muitas vezes, nós enquanto prefeitos, estamos mais preocupados com saúde, educação e infraestrutura, mas é criando um ambiente favorável para o empreendedorismo que somos capazes de promover a transformação, com mais ofertas de emprego e mais recursos para o crescimento municipal”, destaca.

 

 

Para o diretor-superintendente do Sebrae/MS, Cláudio Mendonça, emprego é um agente de inclusão social: “diante da realidade brasileira, o emprego vai cada vezes mais surgir como uma das maiores demandas da população, e para a criação de novas vagas de trabalho só tem um jeito – fomentando novos negócios”, resume. Mendonça sinaliza ainda que, com a melhoria na economia, o mercado começa a vislumbrar um crescimento: “O país já sinaliza sinais de melhora, saindo da recessão econômica e, este é um momento oportuno para que o setor público crie um ambiente favorável para o desenvolvimento de novos negócios”.

 

 

Como resposta ao cenário do mercado local, o Sebrae oferece soluções para o desenvolvimento sustentável dos municípios, como programa LIDER, Prêmio Prefeito Empreendedor e Cidade Empreendedora. “Com o zoneamento econômico podemos oferecer serviços que atendam o potencial de cada região e, se estamos falando em mudança de modelos, estamos apresentando as ferramentas necessárias para promover essa transição”, resume Mendonça.

 

 

Quando o município reconhece o seu potencial econômico, há um alinhamento estratégico entre serviços prestados, fomento aos negócios e uma parceria com os setores locais, juntos, esses elementos são capazes de atrair investidores e serem beneficiados, direta e indiretamente, do bom desempenho. “O período eleitoral é o momento de falar de desenvolvimento, para que os candidatos também sejam sensibilizados sobre esta pauta”, aborda Renato Lima.

 

 

E, por se tratar de uma pauta positiva, o desenvolvimento econômico se faz importante na estratégia municipal, “praticamente não há crises, tratamos de geração de emprego e renda, de investimento e de criação de negócios e os gestores precisam estar atentos ao papel do secretário de desenvolvimento, que é fundamental para mobilizar todos os setores da economia”, destaca o presidente do Fórum MS.

 

 

Com a palestra “Alternativas para o desenvolvimento econômico de Mato Grosso do Sul, o secretário da Semagro, Jaime Verruck  trouxe dados sobre o momento econômico do Estado. “Dentro do desenvolvimento sustentável, falamos de acesso à infraestrutura, logística, promover um ambiente de negócio ao setor privado e, novamente, sobre uma mudança no modelo de gestão política”.

 

 

“O setor agropecuário, sozinho, representa 17,3% do PIB do Estado e, em 2017, o Mato Grosso do Sul está em quinto lugar no ranking de estado mais competitivo”, destaca. Para manter o ritmo, Verruck elenca os projetos que vão beneficiar diversos municípios nos próximos anos. “Temos rotas ferroviárias, hidroviárias e rodoviárias que vão dinamizar o comércio exterior, otimizando recursos que já possuímos, como a hidrovia no rio Paraguai e a malha ferroviária que conecta os oceanos Atlântico e Pacífico”.

 

 

O superintendente da Sudeco, Marcos Derzi, destacou a importância dos pequenos negócios diante da grande busca pelo FCO – Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste. “As pequenas empresas precisam saber que tem grande participação no desenvolvimento. Dos 51 mil projetos que recebemos no ano passado, 98% foram aprovados e a maioria são de pequenos negócios, isso demonstra o impacto dessa modalidade de empresa na economia”, relatou.

 

 

Já Jorge Paulo Fernandes, diretor de novos negócios da Informática dos Municípios Associados – IMA/SP, apresentou as ferramentas usadas pela Prefeitura de Campinas/SP, “para atender às demandas da sociedade com maior eficácia e agilidade, com economia de recursos e na medida do que a situação exige”, resumiu.

 

 

No aplicativo desenvolvido pela empresa, o cidadão pode acessar o andamento de protocolos, informações sobre IPTU,  adoção de animais e busca por medicamentos na rede pública. “Simplificamos o acesso aos serviços públicos e, queremos mostrar aos gestores municipais que é possível atualizar o formato da prestação de serviços e que essa postura promove a competitividade”, finalizou.

 

 

Sobre “Desenvolvimento econômico regional e o contexto federativo”, o ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República, Carlos Marun, assegurou que “por política e economia serem temas complementares, há um impacto direto no mercado”. Para o ministro-chefe, a reforma trabalhista se faz necessária para o desenvolvimento da economia. “Por um lado temos a contenção de gastos públicos como prioridade, por outro temos questões prioritárias [como a reforma trabalhista] que precisam ser deliberadas por agentes públicos e, assim, o Poder Público pode contribuir com a melhoria apresentada na economia”.

 

 

Para Lima, “ao disseminar o conceito de cidades inteligentes e competitivas entre os agente públicos de Mato Grosso do Sul trazemos à tona o desenvolvimento sustentável e moderno”. E, ao atender às demandas da sociedade com maior eficácia e agilidade, o município gera economia de recursos públicos e cria condições para o desenvolvimento e fomento de novos negócios. “Ao abordar as vantagens que os municípios adquirem ao promover soluções que impactam a qualidade de vida, vem embutido o conceito de cidades inteligentes, mais competitividade e desenvolvimento para o MS”, explica o presidente do Fórum MS.