Coordenação Nacional de Saúde do Homem promove oficina em Corumbá

Profissionais da saúde participaram, nesta terça-feira, 20 de março, de oficina para fortalecimento da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH). O evento ocorreu no auditório Salomão Baruki, onde o público foi capacitado por servidores do Ministério da Saúde sobre o Guia de Pré-Natal do Parceiro e o Guia de Saúde do Homem. A experiência de atuação do pai/parceiro no pré-parto, parto e pós-parto dentro do Hospital Maternidade Carmela Dutra também foi exposta e debatida. O evento foi organizado pela Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura de Corumbá, atendendo ao Ministério da Saúde e Secretaria de Estado de Saúde.

 

Os responsáveis pelas exposições foram a psicóloga Michelle Leite da Silva e o enfermeiro Cícero Ayrton Brito Sampaio, facilitadores da Coordenação Nacional de Saúde do Homem do Ministério da Saúde. O enfermeiro Márcio Luís Ferreira apresentou o projeto de envolvimento do pai/parceiro na Maternidade Carmela Dutra. Esteve presente também a gerente estadual de Saúde do Homem da Secretaria de Estado de Saúde, Maria José Nasser Viana. Para ela, foi muito importante o envolvimento do Município de Corumbá com essa capacitação.

 

“A oficina sendo realizada em Corumbá mostra o interesse da gestão pública municipal em implementar essa política de saúde do homem no Município. É muito importante oferecermos essa capacitação de maneira descentralizada porque dessa forma podemos atingir o maior número de profissionais possível e o apoio do Município e da Secretaria Municipal de Saúde é fundamental para isso”, afirmou Maria José Nasser Viana.

 

Dr. Rodolpho Costa Marques Pereira da Rosa, urologista coordenador do Programa de Atenção à Saúde do Homem, afirmou que a oficina serviu para sensibilizar os profissionais a inserirem o homem no sistema de saúde. “Os dados mostram que o homem procura menos o sistema de saúde, procuram menos a prevenção e sofrem mais. Em relação às mulheres apresentam índice de mortalidade maior”, comentou.

 

Rodolpho acredita também que os pais precisam participar mais do processo de gestação das parceiras. “A mulher começa a conhecer o filho já na gravidez, antes do homem. Socialmente, se você conseguir inserir o homem no período da gestão com o programa de pré-natal, ele estará muito mais preparado na hora do nascimento com conhecimento técnico e emocional bem maiores. É fundamental que o homem esteja inserido nessa fase para ele ter sensibilidade do cuidado com a criança da mesma maneira que a mulher”, afirmou o médico.

 

Para Dr. Rogério Leite, secretário municipal de Saúde, os profissionais saíram da oficina com visão ampliada a respeito da saúde do homem e incentivados a envolverem cada vez mais o homem nas ações de prevenção e promoção à saúde. “Temos essa dificuldade sociocultural do homem em buscar ajuda médica e cuidar da própria saúde. Acredito que os exemplos citados pelos profissionais que participaram da oficina, além das palestras, despertaram o interesse de outros servidores em traçar estratégias para despertar no homem esse interesse pela própria saúde. Foi muito válida essa capacitação e o apoio do Estado e do Ministério da Saúde foi essencial para o sucesso desse evento”, disse o secretário.

 

Política Nacional de Saúde do Homem surgiu em 2009


A psicóloga Michelle Leite, do Ministério da Saúde, explicou que a PNAISH surgiu por ter se observado que os homens morrem muito mais que as mulheres, são mais desassistidos, têm barreira sociocultural de procurar os serviços de saúde e existia lacuna na faixa etária dos 20 aos 59 anos, público-alvo do programa. Michelle lembrou que os adolescentes são levados pelos pais ao médico, enquanto os idosos já construíram o hábito de buscar atendimento à saúde.

 

“Em 2009, o Ministério da Saúde instituiu a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem para trabalhar principalmente o estímulo ao autocuidado, como também estimular que o profissional de saúde esteja qualificado para receber esses homens. Temos visto que os homens vão ao serviço de saúde para aguardar parceiras no corredor, para conversar com os guardas, então, com essa parceria que está acontecendo em Corumbá, a gente quer estimular que esses profissionais tenham visão mais ampliada para acolher esses homens”, afirmou Michelle.

 

Ela explicou também que os Guias de Pré-Natal do Parceiro e de Saúde do Homem foram organizados no ano de 2016 e desde então a equipe da Coordenação Nacional de Saúde do Homem tem realizado diversas oficinas nos municípios divulgando os guias. Cerca de 2.500 pessoas já foram capacitadas em todo o Brasil.

 

O enfermeiro Cícero Ayrton Sampaio afirmou que o papel dos agentes comunitários de saúde é fundamental para que o programa alcance melhores resultados. “O agente é o elo entre a comunidade e a equipe de saúde. Se a gente não conseguir ampliar o olhar desse profissional para captar a população masculina e levá-la ao serviço de saúde, não vamos conseguir implementar a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. O Guia de Saúde do Homem para o agente comunitário de saúde traz essa ideia de ampliar o olhar, de incentivá-los a fazer um diagnóstico do local, saber quais problemas  os homens passam para poder traçar estratégias para trazer essa população para o serviço de saúde”.