Escola municipal participa de ação de combate ao mosquito Aedes aegypti

A Escola Municipal Fernando de Barros realizou culminância do projeto de combate à dengue. O dia “D” foi promovido na manhã desta sexta-feira, 17 de novembro, onde estudantes puderam ouvir palestras, tirar dúvidas e expor o que foi aprendido durante o período de atividades. A ação faz parte do programa que abrange as secretarias de Saúde, Educação e Assistência Social para conscientização sobre doenças provocadas pelo mosquito Aedes aegypti.

 

“O trabalho com essas crianças tem o objetivo de fazê-las ter conscientização na casa delas, principalmente na parte do cuidado com as caixas d’água e com recipientes acumuladores de água”, afirmou Grace Bastos, coordenadora do Centro de Controle de Vetores (CCV) da Secretaria Municipal de Saúde. Ela explicou que esse projeto é proveniente de campanha do Governo Federal que envolve Ministério da Saúde, Ministério do Desenvolvimento Social e Ministério da Educação para elaboração de mobilização nacional de combate ao Aedes aegypti. “Esse trabalho já vem sendo desempenhado há algum tempo, em algumas escolas desde o início do ano. A culminância acontece agora em novembro”.

 

A Escola Municipal Fernando de Barros atende a alunos dos bairros Cristo, Centro América e Popular Velha. Nessa região, o índice de infestação de Aedes aegypti apresentou número alto e as atividades de conscientização começaram há cerca de três meses, com o intuito de os alunos serem multiplicadores do aprendizado nos bairros. “Escolhemos essa área para trabalhar porque é onde o índice de infestação de Aedes aegypti foi maior e, além de casos de dengue, tem casos de zika e chikungunya”, disse Grace.

 

“É importante a gente fazer esse trabalho com as crianças e  ter a parceria efetiva da Assistência Social, através dos CRAS, solicitando a população para fazer o trabalho de prevenção dentro das casas. Na escola, esse projeto do Mais Educação foi excelente porque trabalhamos em um horário diferenciado. Nesse período de três meses,  houve oficina para criação de repelente natural de citronela e de cravo, oficina para fazer as máscaras do mosquito e para fazer a mosquiteca, feita com garrafa pet onde é colocado alpiste ou arroz e água, então o mosquito passa pela tela e fica preso, podendo ser utilizado dentro de casa”, explicou Grace Bastos.

 

 

Através do Programa Mais Educação, mediadores e facilitadores realizaram atividades na escola no contraturno das atividades escolares. O trabalho abrangeu alunos do 1º ao 5º ano que frequentam aulas à tarde e do 6º ao 9º ano, que estudam pela manhã. “Toda a escola está envolvida no projeto de combate à dengue”, afirmou Andréia Andreia de Souza, diretora adjunta da instituição.

 

“É muito importante a educação ambiental e fazermos essa conscientização nos estudantes porque eles levam o que aprendem para casa. Eles olham o quintal e ajudam na limpeza para eliminar todo tipo de depósito do vetor, que é mosquito da dengue. Às vezes, os pais não têm consciência e as crianças levam essas informações para casa, fazendo a diferença, e passam também para os vizinhos. Os estudantes são os nossos multiplicadores e nossa cidade está um pouco melhor, com relação à higiene e limpeza de quintais. Percebemos que é algo que está caminhando e que estamos conseguindo fazer nosso papel como educadores”, completou a diretora.

 

A estudante Marcela Vilalva já sabe o que fazer para colaborar com a saúde da população corumbaense. “Deixar o quintal limpo, não deixar água parada”, disse a aluna de 11 anos, ao responder como se pode evitar a proliferação do mosquito da dengue. “É muito importante que as pessoas combatam o mosquito para não pegarem a doença, que é grave”, completou Marcela que participou de paródia de conscientização.