Setor Mineral é segmento econômico com melhor remuneração em Corumbá

A indústria extrativista mineral é o setor que melhor remunera em Corumbá e representa o segundo salário médio oferecido pelas indústrias em Mato Grosso do Sul. É o que demonstram dados levantados pela Secretaria Municipal de Indústria, Comércio e Produção. O estudo mostra a importância da atividade para o desenvolvimento econômico do estado e principalmente para a região pantaneira. O levantamento revela que a atividade representa 8% dos postos de trabalho em Corumbá e Ladário.

 

O Decreto Nº 14.770/2017, criando a Câmara Setorial da Cadeia Produtiva Mineral feita pelo Governo do Estado, foi publicado na edição desta sexta-feira, 30 de junho, do Diário Oficial do Estado. A apresentação da Câmara Setorial aconteceu em Corumbá na quinta-feira, dia 29.

 

O Município, por meio da Secretaria Municipal de Indústria, Comércio e Produção, participou ativamente da articulação para a criação da Câmara, atendendo reinvindicações das principais empresas mineradoras de Corumbá.

 

“Temos que dar a devida importância para o setor mineral, pois gera emprego e renda para nossa região. Nosso levantamento mostra que mais da metade do PIB (Produto Interno Bruto) de Corumbá vem da mineração”, observou o secretário municipal de Indústria, Comércio e Produção Rural, Renato dos Santos Lima, ressaltando o potencial consolidado e estratégico da atividade para o desenvolvimento econômico de MS. O setor correspondeu a 0,9% do PIB estadual em 2013.

 

Em 2015/2016 injetaram R$ 2 milhões só em salários na economia local. É o principal setor exportador do município: em 2015, 55% do total dos produtos exportados por Corumbá foi minério de ferro e 18% manganês. Arrecadou, em média, R$ 27 milhões de CFEM (Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais) entre 2012-2016. O Estado está na quarta colocação de maior arrecadador do imposto mineral para a União.

 

“Mato Grosso do Sul também é um estado minerador. O Estado tem que entender que tem uma força grande na mineração, concentrada aqui nestas duas cidades, que são Corumbá e Ladário. Essa Câmara Setorial vai permitir um sistema de governança da questão mineral do Estado”, observou o secretário de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck.

 

Na próxima semana haverá a apresentação por parte do Governo do Estado de um diagnóstico de todo setor mineral de Mato Grosso do Sul para os membros da Câmara Setorial. A partir disso, em até 30 dias, de um plano para a questão mineral.

 

A Câmara Setorial

 

O decreto 14.770, 28 de junho, estabeleceu que a Câmara Setorial é uma instância colegiada e consultiva que tem como objetivos: emitir parecer sobre questões relacionadas à cadeia produtiva mineral; elaborar estudos que subsidiem a tomada de decisões em questões relacionadas à cadeia mineral; definir diretrizes para elaboração do planejamento da cadeia mineral no estado; elaborar banco de dados de interesse do setor; discutir a respeito da política de desenvolvimento sustentável do setor mineral do Estado, considerando seu zoneamento ecológico-econômico; propor, apoiar e acompanhar projetos e ações voltados ao desenvolvimento sustentável do segmento de extração mineral em Mato Grosso do Sul; articular políticas e desenvolver estratégias de aproveitamento racional e sustentável das riquezas naturais do subsolo estadual; representar e defender os interesses do segmento de mineração local para melhorar eficiência, logística e competitividade.