Nos 152 anos da Batalha do Riachuelo, Ruiter reforça importância da Marinha

O prefeito Ruiter Cunha de Oliveira participou da solenidade dos 152 anos da Batalha Naval do Riachuelo realizada na manhã desta sexta-feira, 09 de junho, em frente ao Pórtico do 6° Distrito Naval, em Ladário. A cerimônia durou 45 minutos e contou com leituras da Ordem do Dia do comandante da Marinha, almirante de Esquadra, Eduardo Bacellar Leal Ferreira, e mensagem do presidente da República. Também houve a imposição da condecoração da Ordem do Mérito Naval para quatro militares do Comando do 6° Distrito Naval.

 

“É um momento para relembrar a história e a importância da Marinha na formação geopolítica do nosso país. Hoje, a Marinha, além da prestação jurisdicional da salvaguarda da fronteira oeste do nosso país, também tem papel fundamental nas questões sociais do nosso município. A Marinha nos auxilia a atender aqueles que mais necessitam do Poder Público. A Prefeitura reconhece esse papel importante e essencial”, declarou o chefe do Executivo Municipal.

 

Comandante do 6° Distrito Naval, o contra-almirante Luiz Octávio Barros Coutinho destacou a importância da vitória da Marinha na Batalha Naval do Riachuelo. “A linha de suprimento dos paraguaios foi interrompida pela vitória brasileira. Isso ocasionou com que o fluxo logístico para o Paraguai fosse interrompido e, a partir desse momento, a situação da guerra se inverteu e passamos a ser protagonistas. Trouxe reflexos na região toda de Corumbá e do Pantanal. Conseguimos”, afirmou.

 

Na ordem do dia do comandante da Marinha, lida durante a cerimônia militar, o almirante de esquadra Eduardo Bacellar Leal Ferreira ressaltou a atitude dos militares que lutaram na Batalha do Riachuelo. “No dia em que celebramos a Data Magna da Marinha, prestamos uma homenagem àqueles indomáveis marinheiros e soldados embarcados, os quais nos deixaram exemplos de tenacidade e patriotismo. Ao cultivarmos seus grandes feitos, sejamos estimulados a enfrentar as dificuldades do presente com a mesma coragem e determinação. O legado do Almirante Barroso nos ensina que, diante de condições extremamente adversas, não podemos perder a serenidade e a esperança”.

 

Numa referência à situação atual do país, a mensagem enfatizou que a crise enfrentada não é “maior” que os brasileiros. “Hoje, assistimos ao país ser assolado por crise profunda e multifacetada. E, assim como na tempestade os mares em fúria trazem perigo ao navio, ela ameaça destruir o sonho de grande Nação que podemos e devemos alimentar. No entanto, por mais grave que se apresente, a crise nunca será mais forte nem maior do que nós brasileiros”.


Batalha Naval do Riachuelo

 

A Batalha Naval do Riachuelo é considerada um dos maiores triunfos da História das Forças Armadas do Brasil. A sua deflagração tem a ver com a Guerra contra o Paraguai, onde o Brasil juntava forças com a Argentina e o Uruguai. O conflito, ocorrido entre 1864 e 1870, foi resultado de uma série de disputas políticas envolvendo as nações que trafegavam na região do rio da Prata. O início da guerra só tomou forma mediante o ambicioso projeto expansionista do governo paraguaio.

 

O conflito naval acontecido no Rio Riachuelo foi considerado de suma importância para a vitória da Tríplice Aliança (Brasil, Uruguai e Argentina) frente às forças paraguaias. Na época, os navios da força brasileira não tinham instalações apropriadas para a navegação fluvial, o que ameaçava a perda de uma embarcação devido o encalhamento. Além disso, as embarcações eram feitas todas de madeira, o que oferecia grande risco frente a qualquer artilharia terrestre.