Sandra de Sá é a principal atração da Seresta Especial das Mães

A Prefeitura Municipal, por meio da Fundação da Cultura e do Patrimônio Histórico de Corumbá,  vai homenagear todas as mães corumbaenses com um grande show popular. A festa acontece nesta sexta-feira, 12 de maio, a partir das 20 horas na praça Generoso Ponce, na avenida General Rondon, onde também será montada uma praça de alimentação. O evento vai reunir artistas locais e terá como atração principal a cantora e compositora Sandra de Sá. 

 

Vão representar as mulheres pantaneiras as artistas Norma Atagiba, Elisete, Lucinha Philbois, Kris Simões e Fátinha Ricco. No repertório, músicas regionais e grandes sucessos nacionais. As cantoras serão acompanhadas pela Banda RT, composta por Juares dos Teclados; Valdir no contrabaixo; Narciso na guitarra; Aniceto na bateria e Yan na percussão.

 

“A Seresta é um presente da Prefeitura para todas as mães corumbaenses, as nascidas aqui e as que carinhosamente adotaram nossa cidade para viver”, afirmou o prefeito Ruiter Cunha de Oliveira, que destacou ainda a importância do evento para o comércio local e a cultura regional.

 

A atração principal da noite, Sandra de Sá já foi chamada por alguns de “Tim Maia de saias”. Cazuza dizia que ela era na verdade a Billie Holliday brasileira. Sua africanidade e musicalidade estão no sangue: neta de um caboverdiano e filha de músico, sua adolescência foi em meio aos bailes de gafieira, samba e soul.

 

Aprendeu sozinha a tocar violão e começou a compor suas letras. Ganhou prêmios como cantora e compositora em diversos festivais de Música. Mas o sucesso para valer, como cantora, veio no festival MPB 80, colocando “Demônio Colorido” entre as finalistas e obtendo repercussão nacional.

 

Após o Festival, Sandra foi contratada pela gravadora RGE e, a partir daí, a trajetória de Sandra foi fulminante: novos discos de sucessos, composições próprias e de grandes autores, apresentações por todo o país. Nessa década, e na seguinte, surgiram os maiores hits de sua carreira.

 

A partir de 2000, entre shows e eventos, no Brasil, Estados Unidos, Africa e Europa, a artista fez teatro e programas de TV, gravou albuns e DVDs com os maiores nomes da nossa música e ainda encontra tempo para ações sociais, participando ativamente da CUFA (Central Única das Favelas), e fundando a Academia Afro-Brasileira de Arte.