Corumbaense: Parceria com o Município foi essencial para as vagas nacionais

Durante o encontro desta sexta-feira, 5 de maio, em que o prefeito Ruiter Cunha de Oliveira recebeu no gabinete dirigentes do Corumbaense Futebol Clube e representantes de vários setores do Município, teve confirmação do telão de LED, orientações contra venda irregular de ingressos, definição das ruas que serão interditadas e ainda a presença confirmada do governador Reinaldo Azambuja no jogo final do Campeonato Sul-mato-grossense. Além de todas as tarefas a serem cumpridas, no entanto, não faltou emoção à flor da pele.

 

“O Corumbaense faz parte da nossa história, é uma paixão, é nossa identidade”, pontuou o prefeito. Desde novembro de 2016, ele esteve empenhado em alavancar o potencial do time, antes mesmo de assumir a Prefeitura. “Antes mesmo de assumir o mandato, o prefeito Ruiter ajudou na preparação da equipe, viabilizando parcerias. Para se ter uma ideia, em dezembro já tínhamos a estrutura montada e iniciamos os treinamentos. Essa parceria foi fundamental para chegarmos onde estamos”, frisou o presidente do Corumbaense, Luiz Bosco Delgado Bosco.

 

“É preciso agradecer e reconhecer publicamente o apoio que o prefeito Ruiter nos deu, pois naquele momento que ele se propôs a ser parceiro, nasceu um embrião que, graças a Deus, germinou. São visíveis a mudança e o impacto no clube”, complementou o dirigente. Com a voz embargada, Ruiter respondeu: “Isso transcende meu papel como gestor público, é a vontade, a lembrança, a paixão pelo futebol corumbaense”.

 

Em 1984, o Corumbaense ganhou seu único título estadual, voltando à final no campeonato de 1987 e, agora, 30 anos depois. Há a expectativa de, pelo menos, duas gerações em relação a essa final (que, independente do resultado, já garantiu a vaga do time para a Copa do Brasil e na série D do Campeonato Brasileiro em 2018): daquela que vibrou com a vitória em 84 e espera ansiosamente ver o time do coração ser campeão novamente; e daquela geração que nasceu depois da vitória e quer torcer, pela primeira vez, pelo Carijó.