Atraso em repasse de recursos afeta serviços na Santa Casa de Corumbá

O atraso no repasse de recursos por parte da Secretaria Estadual de Saúde, conforme a contratualização 02/2015, tem refletido diretamente nos serviços prestados aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) pela Santa Casa de Corumbá.

 

É o que informa a secretária municipal de Saúde, Desiane Silva, lembrando que, por conta disso, tem ocorrido problemas na instituição, tais como falta de materiais para atendimento no único hospital da região.

 

Conforme a secretária, o repasse referente ao mês de outubro deveria ter sido feito no dia 05 de novembro, mas até o final da tarde de ontem, terça-feira, 07, não havia ocorrido. Além disso, o repasse referente ao mês de novembro, por parte do Estado, venceu agora, no dia 05 de dezembro.

 

Desiane lembra que a Santa Casa de Corumbá, responsável pelo atendimento de corumbaenses, ladarenses e também de bolivianos residentes na faixa de fronteira, é administrada por Junta Interventora, e que só continua de portas abertas graças aos recursos repassados pelos governos federal, estadual e municipal.

 

“Os recursos para manter o hospital em funcionamento vêm da União, Estado e do Município. Qualquer atraso, prejudica os serviços prestados pelo único hospital da nossa região”, enfatiza.

 

Desiane informou que na semana passada encaminhou ofício ao secretário estadual de Saúde, Nelson Tavares, informando sobre o agtraso no repasse referente ao mês de outubro. “Além disso, temos conversado com as pessoas da área responsável e nos informaram que o repasse referente a outubro seria feito esta semana. Estamos aguardando, mesmo porque já estamos com novembro vencido”, citou.

 

O médico Cristiano Xavier, diretor-presidente da Junta Interventora da Santa Casa, cita que “o atraso no repasse de recursos acaba causando sérios problemas na manutenção dos serviços prestados pelo hospital. A verba repassada pela União, Estado e Município é utilizada no pagamento da folha dos funcionários, compra de equipamentos, medicamentos, materiais de higiene, entre outros”.

 

Hoje, o Governo do Estado, por parte da Secretaria Estadual de Saúde, repassa mensalmente a importancia de R$ 353.882,00 (de outubro, faltam R$ 303.882,00 referente ao Bloco da Média e Alta Complexidade/HFSUS – Ambulti). A União repassa mensalmente R$ 1.083.944,91, e o Município R$ 400.582,00.