Dia da Bandeira é comemorado com cerimônia no Jardim da Independência

Corumbá celebrou neste sábado, 19, o Dia da Bandeira. A solenidade foi realizada pela 18ª Brigada de Infantaria de Fronteira, e teve como palco o histórico Jardim da Independência. O ato, que teve o apoio da Prefeitura Municipal, contou com a presença do prefeito Paulo Duarte, responsável pelo hasteamento do Pavilhão Nacional, símbolo maior da Pátria.

 

A solenidade foi dirigida pelo comandante da 18ª Brigada de Infantil, general-de-brigada João Denison Maia Correia, e contou com as presenças de militares das Forças Armadas, alunos de escolas públicas de Corumbá, além de representantes dos mais diferentes segmentos da sociedade e da comunidade pantaneira.

 

O forte sol não atrapalhou o evento que contou com honrarias militares ao general-de-brigada João Denison Maia Correia, comandante da 18ª Brigada, a mais alta patente no ato; hasteamento da Bandeira do Brasil; leitura da ordem do dia do comandante do Exército Brasileiro, General de Exército Eduardo Dias da Costa Villas Boas; incineração de bandeiras do Brasil consideradas inservíveis; cântico do Hino à Bandeira, letra de Olavo Bilac e música de Francisco Braga, além da entrega de novas Bandeiras do Brasil às Escolas Municipais Tilma Fernandes, Pedro Paulo de Medeiros e Cyríaco Félix de Toledo pelo prefeito Paulo Duarte, general João Denison Maia Correia e pelo tenente-coronel André de Campos Niller, comandante do 17º Batalhão de Fronteira.

 

O prefeito Paulo Duarte, além de destacar a importância do ato, lembrou que a cerimônia aconteceu em um local que é considerado histórico na cidade, o Jardim da Independência. Lembrou que o espaço, que estava bastante deteriorado, foi recuperado pelo Município e devolvido à comunidade corumbaense no meio do ano, assim como a Praça da República e, em breve, o prédio histórico da antiga Prefeitura, que estava com um novo visual.

 

Duarte fez questão de enfatizar também a importância das Forças Armadas para Corumbá. “Nós, pantaneiros, temos um orgulho danado das Forças Armadas”, comentou. “Mesmo em momentos de crise, quando cidades brasileiras estão enfrentando problemas, nós estamos conseguindo cumprir nossos compromissos e ainda realizar uma série de serviços, inclusive com apoio das Forças Armadas que são nossas parceiras e têm contribuindo muito na realização de ações conjuntas, voltadas para o povo corumbaense”, ressaltou.

 

Finalizou lembrando um fato recente que foi a reversão de uma decisão do Exército Brasileiro de fechar a 18ª Brigada de Infantaria de Fronteira. “A desativação em 31 de dezembro de 2016 já havia sido publicada. Conseguimos reverter a situação inclusive com audiências com o ministro da Defesa, Raul Jungmann, com apoio de nossos senadores”, lembrou.

 

A Bandeira

 

O general João Denison Maia Correia, durante a cerimônia, destacou a importância do ato e fez questão de compartilhar com todos os presentes, a história do maior símbolo do País, que é a Bandeira do Brasil, criada por meio do decreto número 04, de 19 de novembro de 1889, quatro dias após a Proclamação da República.

 

Lembrou o que as cores representam (as matas, o verde; as riquezas do Pais, o amarelo; o céu, o azul, e a paz, representada pela cor branca). “Nós brasileiros podemos nos orgulhar a história da nossa bandeira. Valorizar o nosso símbolo estaremos valorizando a história da nossa Pátria. Temos que conhecer e lembrar sempre a história da nossa bandeira”, reforçou. 

 

Lembrou que após a proclamação da República, em 1889, uma nova bandeira foi criada para representar as conquistas e o momento histórico para o país. Foi projetada por Raimundo Teixeira Mendes e Miguel Lemos, com desenho de Décio Vilares, e inspirada na Bandeira do Império, desenhada pelo pintor francês Jean Baptiste Debret.

 

Foi aprovada pelo Decreto nº 4, de 19 de novembro daquele ano, mantendo a tradição das antigas cores nacionais – verde e amarelo – do seguinte modo: um losango amarelo em campo verde, tendo no meio a esfera celeste azul, atravessada por uma zona branca, em sentido oblíquo e descendente da esquerda para a direita, com os dizeres “Ordem e Progresso”. As estrelas, que fazem parte da esfera, representam a constelação do Cruzeiro do Sul. Cada uma corresponde um estado brasileiro.