Corumbá abre a Semana do Meio Ambiente com foco na conscientização

Ao longo dos anos, o Pantanal tem sofrido ameaças como o assoreamento dos rios que formam a maior planície alagada do planeta, o comportamento dos pulsos de inundação e redução de biodiversidade. As nascentes dos rios que alimentam o Pantanal também estão ameaçados, quando deveriam estar protegidas. É preciso mudar esta situação. É imprescindível e urgente a união de governos e entidades da sociedade civil na defesa das nascentes e das áreas de preservação permanente da região do planalto da Bacia do Alto Paraguai.

 

E é com este propósito que a Prefeitura de Corumbá abriu na manhã deste sábado, 04 de junho, a Semana do Meio Ambiente como forma de mobilizar esforços e compromissos com a defesa da vida do Pantanal e da sua gente. A solenidade aconteceu no auditório da Unidade III da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – Campus Pantanal, localizada às margens do maior rio da bacia pantaneira, o Paraguai.

 

A semana marca as celebrações do Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado no dia 05 de junho, e tem como tema “Nascentes e áreas de preservação permanente”. O ato contou com as presenças de diversas autoridades civis e militares, além de representantes da sociedade civil e pescadores profissionais, e conscientização foi a palavra que mais se ouviu durante a solenidade.

 

O prefeito Paulo Duarte, na abertura, foi taxativo ao afirmar que “todos precisam se conscientizar, nem que seja pela questão de sobrevivência”. Segundo ele, “sem conscientização, se nada for feito de forma real e contundente, por exemplo, o Rio Paraguai vai se transformar no Rio Taquari”.

 

Lembrou o descarte de uma grande quantidade de lixo e entulho às margens do Rio Paraguai, mas observou que o maior problema ocorre dentro da área urbana de Corumbá. “Nos estamos presenciando ainda que existem pessoas se consciência, descartando lixo de forma inadequada em plena área urbana da cidade, como sofá, ventilador, geladeira, e muito mais”, citou.

 

São situações que acabam causando um visual nada agradável para uma cidade turística. Para evitar isso e manter a limpeza, Duarte lembrou que “a prefeitura tem gasto recursos consideráveis para fazer coisas que não é seu papel, como retirar esse tipo de lixo jogado de forma inadequada pelas ruas. Contratamos uma empresa para fazer esse serviço porque existem pessoas que não têm consciência. O mais incrível é que depois, passamos pelo mesmo local, e já tem mais este tipo de lixo lá. As pessoas precisam se conscientizar e dar destinação adequada ao lixo”, enfatizou.

 

Educação ambiental

 

O diretor-presidente da Fundação de Meio Ambiente, Antonio Rondon, lembrou os anos na Polícia Militar Ambiental, e que na época já buscava trabalhar de forma a conscientizar a população. “Tudo isso me faz lembrar que em 1987, iniciamos um trabalho de conscientização aqui na cidade. E não era um trabalho simples, era mais puxado. Tínhamos que usar até armas de fogo para combater irregularidades. Hoje já conseguimos mudar a maneira errada de se pensar que não há problema em jogar o lixo na rua, que o culpado por isso é poder público. Na atual administração todos podem ver a vontade política do prefeito em trabalhar a parte ambiental, buscar resolver estas questões”.

 

Em relação ao descarte inadequado do lixo na área urbana, o vereador Tadeu Vieira lembrou que é preciso acabar com a forma de pensar das pessoas que, por ser um terreno baldio, se pode jogar lixo no local. “A necessidade de acabar com isso é tão grande que a Câmara aprovou um projeto de lei que prega a conscientização nas escolas. Acreditamos que a mudança vai começar pela escola. Acreditamos que as nossas crianças é que vão conscientizar os adultos”.

 

A solenidade de abertura foi seguida por uma palestra com o professor e doutor José Sabino que focou o Pantanal e seu projeto de peixes desenvolvido em Bonito. Logo em seguida foi lançada a plataforma Geopantanal e GeoBrother do Instituo do Homem Pantaneiro.

 

Programação

 

A programação continua neste sábado, às 18 horas, com o Caminhos da Cultura; às 18h30 acontece uma apresentação do Moinho Cultural Sul-Americano; às 19h a Academia de Musica Manoel Florêncio se apresenta na Praça Generoso Ponce.

 

Na mesma estrutura tem o cantor regional Geraldo Espindola, às 19h, com o show Voz & Violão, e às 20h30, os Hermanos Irmãos: Marcio de Camillo, Jerry Espíndola e Rodrigo Teixeira, encerrando este primeiro dia.

 

No domingo, dia 5, a V Mostra Ambiental começa às 16 horas, com uma roda de capoeira. Haverá também contação de histórias, exposições de artesanato, intervenções locais e apresentações do Moinho Cultural e da Oficina de Dança do Pantanal. Na segunda-feira, alunos da Reme farão o plantio de árvores no Conjunto Flamboyant III, às 8 horas.

 

No mesmo dia, das 8h às 12 horas, minicursos vão capacitar técnicos da área do meio ambiente sobre técnicas básicas de fiscalização e legislação ambiental no Mato Grosso do Sul. A ação acontece no Museu de História do Homem Pantaneiro e se estende até a terça-feira. No período da tarde, das 14h às 17 horas, o II Seminário Sustentabilidade e Cidadania no Pantanal será aberto no SESC.

 

O evento é aberto ao público. A inscrição será trocada por 1 quilo de alimento não perecível, que serão doados aos catadores de materiais recicláveis da cidade. O evento também acontece no dia seguinte. Na terça-feira a Gincana Ecológica no Rio Paraguai vai mobilizar os associados da Colônia de Pesca Z1. O ato será realizado na orla do Porto Geral a partir das 8 horas.

 

A Semana do Meio Ambiente de Corumbá termina no dia 8 de junho, com a aula inaugural do Curso de Formação de Brigadista para Prevenção e Combate a Incêndios Florestais/PREVFOGO.

 

A Semana do Meio Ambiente é uma realização da Prefeitura, por meio da Fundação de Meio Ambiente do Pantanal, em parceria com a UFMS e o Instituto Homem Pantaneiro (IHP).