Prefeitura vai acionar MPE contra o péssimo serviço da Sanesul na cidade

A Prefeitura de Corumbá vai acionar o Ministério Público Estadual contra o péssimo serviço prestado pela Sanesul na cidade, na recuperação das vias pavimentadas em virtude das intervenções nas redes de água e esgoto. A decisão foi tomada na manhã desta segunda-feira, 09, e o processo será protocolado no MPE pela Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos.

 

A decisão de recorrer ao Ministério Público Estadual foi tomada pela Prefeitura pelo fato de já ter se esgotado todas as tentativas de solucionar o problema por meio do diálogo, ou mesmo por embargo de obras. “Buscamos resolver esta situação de todas as formas. São quase três anos de diálogo constante com a Sanesul e mesmo embargando suas obras, o problema continua. Diante disso, não há outra alternativa, se não recorrer ao Ministério Público”, disse o o secretário de Infraestrutura Gerson da Costa Melo.

 

Na manhã desta segunda-feira ele foi orientado pelo prefeito a encaminhar ao MPE, um levantamento completo da situação em que a Sanesul tem deixando as ruas pavimentadas de Corumbá. “É complicado. Eles abrem as valetas para corrigir vazamentos na rede de água ou outro tipo de intervenção na rede de esgoto, e não recuperam o pavimento. Quando o fazem, utilizam material de péssima qualidade, bem inferior ao material utilizado no pavimento feito pela Prefeitura”, disse o engenheiro. “E o pior de tudo, para a população, a Prefeitura é a culpada por toda esta situação, um problema causado pela Sanesul”, completou.

 

sanesulNa Cabral, após longo período, Sanesul recuperou o pavimento, mas sem a mesma qualidade.


Embargo

 

Em outubro, a Prefeitura notificou a Sanesul dando um prazo de 15 dias para recuperar o pavimento asfáltico das ruas da cidade que receberam intervenções e a recuperação foi feita como deveria, causando sensíveis prejuízos aos cofres públicos e também à população corumbaense.

 

Na oportunidade, além da Gerência Regional de Corumbá, a Prefeitura oficializou também a presidência da empresa com sede em Campo Grande. O prazo venceu, mas a Sanesul não está atendendo os acordos e nem a legislação, utilizando material inferior ao utilizado para pavimentar a via pública. Diante disso, a alternativa é buscar apoio do Ministério Público Estadual, para acabar com este sério e antigo problema na cidade.

 

sanesul

Na Geraldino Martins de Barros, Popular Velha, Sanesul deixou rastros, não recuperando o pavimento de nenhuma das três intervenções em um trecho de menos de 10 metros.

“A Prefeitura tem sido constantemente questionada, responsabilizada pelas condições do pavimento asfáltico da cidade e a maior parte desses problemas está ocorrendo em locais, trechos onde a Sanesul executou obras. Isto já acontece há alguns anos e durante todo este tempo, o pavimento não foi recuperado de acordo”, explicou o secretário Gerson Melo, salientando que a recuperação do pavimento quando ocorrem intervenções deste tipo, é de responsabilidade da própria Sanesul.

 

O relatório técnico elaborado na época em que a notificação foi entregue à Sanesul, foi atualizado e outros documentos estão sendo anexados neste processo que será protocolado junto ao Ministério Público Estadual.

sanesulNa Cyríaco de Toledo, uma das  muitas intervenções da Saesul após via ter sido recapeada. Em todo o trecho, a empresa deixou sua marca.