Fórum destacou ações para o meio ambiente de forma democrática e reflexiva

Corumbá realizou na tarde desta terça-feira, 03 de novembro, o 1º Fórum Social Temático sobre o Meio Ambiente com a presença de gestores públicos, comunidade acadêmica, representantes e pesquisadores de diversos organismos de pesquisas instalados no município.

 

Com o tema, “Meio Ambiente: refletindo as estratégias de enfrentamento no atual contexto político e econômico”, o evento teve como palestrante Agop Kayayan, engenheiro agrônomo da Universidade Americana de Beirut e consultor de várias agencias de governo, ONU, além de Organizações não Governamentais.

 

Presente ao ato de abertura, a promotora de justiça da 2ª Promotoria da Comarca de Corumbá, Ana Rachel Borges de Figueiredo Nina, destacou as ações que a Prefeitura Municipal de Corumbá vem promovendo, entre elas, a manutenção da coleta seletiva, Na visão da representante do Ministério Público a educação ambiental é uma estratégia que ainda precisa se intensificar com vistas à mudança em hábitos, principalmente das mais novas gerações.

 

O Fórum, que foi promovido pela Prefeitura de Corumbá, por meio da Fundação de Meio Ambiente do Pantanal, teve como objetivo apresentar as últimas ações do plano de trabalho da autarquia para este ano, bem como o planejamento do próximo. Além disso, forma apresentadas estratégias que deverão ser implementada sem parceria já firmadas como forma de realizar uma gestão compartilhada a partir de reflexões oriundas do coletivo.

 

“Enfrentamos um momento de crise política e financeira no Brasil e enquanto aguardamos os desdobramentos desses fatores que se alteram de forma independente sabemos que cientistas, academia, membros da organizações não-governamentais tem se reunido ao redor do mundo em diferentes eventos com o objetivo de discutir e levantar sugestões que possam trazer a solução definitiva ou pelo menos encontrar o ponto de equilíbrio que desacelere a destruição que enfrentamos nos dias atuais, que comungam com o pensamento dessa gestão a conclusão de ideias que emerge dessas importantes discussões”, avaliou a diretora-presidente da Fundação de Meio Ambiente do Pantanal, Márcia Rolon que ainda pontuou.

 

“Todo cidadão precisa ser instruído e cabe a nós, gestores, criar mecanismos concretos para que esse evento aconteça porque a mudança da cultura, hábito e empoderamento social não são elementos isolados. Quando eles são desenvolvidos, trazem consigo uma cadeia de desdobramento que se alteram e se completam e atingem diretamente a sociedade que vai do pensar até às práticas”, afirmou.

 

Defendendo aquilo que pontua em seus discursos pela cidade, o prefeito Paulo Duarte ressaltou a necessidade do envolvimento da população, principalmente em setores onde o coletivo está em seu cerne, como é o caso do meio ambiente.

 

“Já que as pessoas não se convencem pelo caráter educativo, pelo menos pela sobrevivência. Precisam botar na cabeça que não vamos sobreviver se continuar desse jeito. Tem questões gravíssimas que abalam não apenas Corumbá, quem não ouviu falar das PCH´’s (pequenas centrais hidrelétricas)? É um crime o que está acontecendo na cabeceira do rio Paraguai, as pessoas estão mudando o curso do rio, a vazão da água para empresário ganhar dinheiro. Outro caso é que não dá mais para algumas pessoas acharem que a rua, que um terreno é a extensão da lata de lixo”, desabafou.

 

O chefe do Executivo ainda rechaçou o discurso de que conservação e desenvolvimento são vetores antagônicos e frisou que o bioma pantaneiro não é ainda observado e defendido pelos grandes organismos públicos como deveria.

 

“Não tem aquela história de que preservação não permite desenvolvimento, A preervação ambiental é boa para a economia, mobiliza-a, cresce a economia. É possível que as duas coisas andem juntas. Infelizmente, quando se vai, por exemplo, no Ministério do Meio Ambiente, há aquela visão amazônica e não conhecem a realidade de nosso bioma, do Pantanal”, criticou ao convocar toda sociedade e, principalmente, a acadêmica presente no evento, a reverter esse quadro.

 

“Não é o prefeito sozinho, é uma coisa que a sociedade tem que se envolver, essa mudança tem papel preponderante na nossa sobrevivência, então está na mão de todos”, frisou novamente.

 

Na sequência, pesquisadores da Embrapa Pantanal apresentaram projeto para a implantação de hortas comunitárias nos chamados vazios urbanos, grandes terrenos em desuso que trazem preocupação por representarem perigo à saúde e à segurança coletiva. Numa parceria com a Fundação de Meio Ambiente do Pantanal, a empresa de pesquisa deve implantar um projeto-piloto na cidade nos próximos meses.

 

Para conhecer mais sobre as ações da Fundação de Meio Ambiente do Pantanal, o cidadão pode ir até à sede da autarquia que fica localizada na rua 13 de Junho, entre as ruas Major Gama e 7 de Setembro, na área central da cidade.