Com apoio da Marinha, Corumbá cumpre mais uma etapa do PMOB

Com apoio de 60 militares da Marinha do Brasil, Corumbá está cumprindo nesta terça-feira, 10, mais uma etapa dos trabalhos visando a elaboração do seu Plano de Mobilidade Urbana e Rural. Até as 21 horas de hoje, este grupo será responsável pela contagem de tráfego, etapa importante que vai servir de base para futuras intervenções na cidade, visando melhorar as condições de trafegabilidade e acessibilidade na área urbana.

 

A elaboração do PMOB faz parte de uma parceria entre a Prefeitura de Corumbá e Governo Federal, por meio do Ministério das Cidades, com apoio do Instituto Votorantim e Votorantim Cimentos. Os trabalhos estão sendo coordenados na cidade pela Fundação de Desenvolvimento Urbano e Patrimônio Histórico (Fuphan) que, dias atrás, treinou os militares para a contagem de tráfego.

 

Esta etapa foi iniciada as 06 horas desta terça-feira e se encerra ás 21 horas. “Estamos com 60 militares da Marinha do Brasil que é uma grande parceira da Prefeitura na elaboração do Plano de Mobilidade Urbana e Rural de Corumbá. Esta contagem será importante para futuras intervenções na cidade”, disse a diretora-presidente da Fundação de Desenvolvimento Urbano e Patrimônio Histórico, Maria Clara Scardini.

 

A contagem está ocorrendo em 10 pontos estratégicos na cidade: anel viário, Avenida Barão do Rio Branco, ruas América, Gaturama, Ricardo Franco, Dom Aquino, 21 de Setembro, Edu Rocha, 13 de Junho e Major Gama.

 

O arquiteto André Costa, integrante da equipe responsável pela elaboração do Plano, tem conversado bastante com as equipes que estão fazendo a contagem, antes da saída de cada grupo. “O trabalho está sendo feito em pontos estratégicos e este trabalho vai permitir que tenhamos uma estatística sobre o comportamento do tráfego na cidade de todos os modais, pedestre, bicicleta, motocicleta, carros, ônibus, caminhões”, disse.

 

Além do trabalho desta terça-feira, na primeira quinzena de dezembro, a equipe responsável pela elaboração do Plano vai realizar na cidade, uma pesquisa com aplicação de um questionário qualitativo. “Será a sequência do trabalho que vem sendo desenvolvido”, disse o arquiteto, lembrado que estes levantamentos vão apontar, por exemplo, onde há necessidade de uma ciclovia, definição de mãos dupla ou única, calçamento, entre outras melhorias.