Uma triste realidade: a Sanesul continua deixando rastros pela cidade

Uma triste constatação: a Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul (Sanesul) do Governo do Estado, continua causando sensíveis estragos nas ruas pavimentadas da área urbana de Corumbá. E é um problema antigo que se instalou definitivamente a partir das execuções das obras de ampliação da rede de distribuição de água, e também da implantação da rede de esgotamento sanitário na cidade, dois serviços de extrema importância para a população, mas que está trazendo sensíveis prejuízos aos cofres públicos.

 

Desde a implantação do programa “Fala Corumbá” por parte da Prefeitura que, por meio do número (67) 9881 – 2016 (aplicativo WhatsApp), abriu um canal de contato direto com a população, as reclamações em torno dos serviços prestados pela Sanesul são constantes e intensas.

 

A maioria se refere a vazamentos nas redes distribuidoras de água que, após concertados, surgem outros problemas: o pavimento. É que a empresa do governo responsável pelos serviços de agua e esgoto na cidade, não está fazendo o dever de casa e a recuperação do pavimento não atende o que foi pactuado com a Prefeitura.

 

A recomposição do pavimento é feita com utilização de material inferior e isto contribui para o surgimento de verdadeiras ‘crateras’ nas ruas da cidade, cujo pavimento, em sua grande parte, está com sua vida útil já vencida, havendo necessidade de executar um recapeamento, serviço iniciado pela Prefeitura no final de 2013.

 

O secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos, Gerson da Costa Melo, tem encaminhado relatórios constantes à Sanesul, solicitando providências. Mas, ao invés de buscar resolver a questão, os problemas estão aumentando gradativamente.

 

Esta semana mesmo, a Prefeitura teve que intervir para recuperar pavimento e parte do meio fio da Rua Barão de Melgaço, cuja obra foi entregue ontem à noite, quinta-feira. Antes mesmo disso, a Sanesul fez um serviço na rede de água e deixou o pavimento e o meio fio ‘detonados’. A Prefeitura refez.

 

Outra denúncia foi na Rua Ricardo Franco, recentemente recapeada, mas que está com a marca da Sanesul – vala aberta para correção de vazamento e ‘tampada’ com terra. E intervenções em ruas recapeadas tem sido uma constante. Pior que o recapeamento foi feito à base do Concreto Betuminoso Usinado a Quente, e na recomposição, a Sabesul tem utilizado material inferior, resultando em surgimentos de buracos em vias que acabam de recebem um novo pavimento.

 

E por aí vai. O mais recente problema enviado ao “Fala Corumbá” se refere aos danos causados ao pavimento – e também nas calçadas – na região da Rua Cabral, quase esquina com a Rua Geraldino Martins de Barros. A Sanesul esteve lá, fez o serviço e até o momento não retornaram para recompor o pavimento asfáltico e muito menos para recuperar a calçada.

 

Além de estar causando problemas ao tráfego de veículos, esta última intervenção da Sanesul está também atrapalhando o trânsito de pedestres, além de prejudicar de forma sensível o comércio existente naquela localidade. E olha que do jeito que o pavimento está, um outro problema está preocupando: a poeira. O pior de tudo é que o comércio existente na região é um restaurante.

 

E aí por diante. Levantamentos mostram que 90 por cento dos problemas existentes na cidade (ruas pavimentadas), surgiram após intervenções da Sanesul. Acreditem: até na Rua Cabral, em frente à sede da empresa, olhando para o pavimento asfáltico, se pode observar o rastro deixado pela empresa de saneamento. É só conferir. E quem desejar entrar em contato com a empresa, o número da Central de Atendimento ao Cliente é o 0800 676010.