Turismo acrescenta mais de R$ 104 milhões à economia de Corumbá

O município de Corumbá (MS) recebeu 115.949 mil visitantes de janeiro a julho deste ano. A movimentação turística gerou a cidade uma receita de R$ 104.175.517,05 milhões, de acordo com o primeiro boletim/2015 – janeiro a julho, realizado pelo Observatório do Turismo de Corumbá, núcleo de pesquisas e estatísticas criado pela Fundação de Turismo do Pantanal. Corumbá é um Portão Internacional de estrangeiros do Brasil e um dos 65 destinos indutores do turismo brasileiro. Com índices acima do nível 4, se destaca como a mais premiada não capital em 2013 pelo Ministério do Turismo, pelos avanços em níveis de competitividade.

 

“O Observatório de Turismo de Corumbá foi o primeiro a ser implantado no estado do Mato Grosso do Sul, com o objetivo de criar uma base de dados e monitoramento da atividade turística local. Já em fase de acompanhamento dos dados coletados desde 2013 sobre o fluxo turístico e econômico, os indicadores são instrumentos que possibilitam o esforço direcionado em ações prioritárias orientando a aplicação dos recursos públicos e privado, como a implantação da modalidade de hospedagem Cama & Café de Corumbá em 2014”, afirma a diretora-presidente da Fundação de Turismo do Pantanal de Corumbá, Hélènemarie Dias Fernandes.

 

Referência em fluxo turístico do Pantanal Sul, a movimentação econômica é distribuída entre os segmentos de pesca esportiva, ecoturismo, aventura e negócios. Segundo o levantamento, a maior parte dos visitantes 74,8% veio do Brasil, liderados pelo Sudeste (34,9%), Centro-Oeste (33,%) e Sul (15,68%). Quanto aos visitantes estrangeiros (25,2%), os holandeses lideraram o ranking, seguidos pelos franceses e ingleses.

 

O coordenador do observatório, Ronan Xavier Machado, afirma que “além dos boletins anuais, já se tem publicado e disponível o Documento Referencial do Turismo de Corumbá do ano de 2013 e de 2014, quando foi constatado um aumento no fluxo turístico de 4,5%. Um diferencial das pesquisas aplicadas é que as coletamos no campo, na área urbana e rural, incluindo os gastos realizados pelo turista e prioritariamente a satisfação do visitante”, diz.

 

Com 65.000 km de extensão e 60% do Pantanal sul mato-grossense, o “carro chefe” de Corumbá e principal produto turístico da região, é o Pantanal. Um diferencial competitivo do destino são seus insumos culturais, o que o diferencia dos demais destinos que ofertam o bioma em Mato Grosso do Sul e Mato Grosso. A cidade histórica de Corumbá tem seu conjunto histórico, arquitetônico e paisagístico tombado desde 1993, que passou por revitalização pelo Programa Monumenta e atualmente é uma das beneficiadas pelo PAC das Cidades Históricas, com investimentos de R$ 19 milhões, através do Ministério da Cultura.

 

O boletim ainda aponta que 59,7% dos visitantes do período estiveram pela primeira vez em Corumbá. A taxa de permanência média na região é de 3 dias, onde em maioria, 43,9%, seguem o seu roteiro para o próximo destino, Bonito, confirmando em Mato Grosso do Sul, a Rota Pantanal Bonito,

 

O fluxo aéreo de pessoas no Aeroporto Internacional de Corumbá registrou cerca de 20 mil embarques e desembarques no período apurado, com destaque para o mês de julho que contabilizou 15% deste total. A tendência é que o município se torne ainda mais competitivo, já que iniciou em agosto a nova rota aérea – Corumbá a Campinas (São Paulo), 4 vezes por semana, que nos últimos 30 dias já registrou uma media de 80,6% de taxa de ocupação.

 

O Ministério do Turismo já investiu R$ 14,9 milhões em obras de infraestrutura turística em Corumbá, desde 2005. Entre elas, destacam-se a implantação do Centro de Convenções, a implantação da sinalização turística aérea, sinalização do Centro Histórico, elaboração de estudos de reurbanização e implantação do Porto Turístico/IP4 e construção da ponte sobre o Rio Miranda/Rodovia MS 184, na Estrada Parque Pantanal.