Corumbá soma forças para combate à dengue e chikungunya

As ações de combate à dengue e chikungunya, doenças que tem o mesmo vetor de transmissão, o mosquito Aedes Aegypti, continuam em Corumbá aumentando o somatório de forças de várias pastas da Administração Municipal e de parceiros fundamentais no trabalho de conscientização para eliminação de focos e proliferação do inseto.

 

Além do Comitê Dengue Chikungunya, se reuniram na manhã desta quinta-feira, 24 de setembro, integrantes do Comitê Corumbá Mais Bela e Saudável. Contribuíram também com propostas a Sanesul (empresa de abastecimento de água e saneamento) e a Secretaria Municipal de Saúde de Ladário que participaram das discussões como parceiros.

 

De acordo com o último LirAa (Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti), que engloba a semana entre os dias 31 de agosto e 04 de setembro, o município está com um índice de infestação de 2,6%, sendo que o bairro campeão é o Nova Corumbá, com 7,78%. Outros dois bairros da parte alta da cidade aparecem nas próximas posições: Guató, com 6,87% e Popular Nova, com 6,47%.

 

Com relação à dengue, no ano passado foram notificadas 850 suspeitas frente às já 616 deste ano até o momento. Neste 2015, foram 25 casos confirmados por exames laboratoriais, sendo que o último teve ocorrência no dia 22 de agosto em uma moradora da área central da cidade.

 

Apesar desses números, em comparação com o ano passado quando a cidade ficou em sexto lugar no Estado com registros da doença, este ano, Corumbá permanece na 56% posição.

 

Já quanto à chikungunya, o município está com 14 notificações, sendo seis casos confirmados (cinco em uma mesma família) e classificados como importados da Bolívia onde uma epidemia da doença assola a cidade de Santa Cruz de la Sierra. Outras duas notificações ainda aguardam confirmação por exames laboratoriais.

 

A Chikungunya é considerada uma enfermidade mais agressiva que a dengue pois seus sintomas, incluindo edemas nas articulações que provocam fortes dores, podem durar até três anos.

 

São números que tem preocupado o setor envolvido com o combate do vetor pois o período de chuvas na cidade ainda não começou. Também preocupa o grande número de reservatórios de água a nível de solo sem proteção e os imóveis fechados e abandonados.

 

“Temos que buscar mais parcerias a fim de criar essa responsabilidade nas pessoas para fazerem a parte delas pois o Poder Público não vem se omitindo. Uma proposta é somar com o trabalho da Assistência Social, bem como os líderes das comunidades para que essas pessoas disseminem essa necessidade”, avaliou o presidente do Comitê Corumbá Mais Bela e Saudável, Raul Nunes Delgado.

 

Com a área de Educação, um projeto piloto está sendo desenvolvido na escola municipal Djalma Sampaio Brazil, no bairro Aeroporto. É o Agente Mirim de Saúde Ambiental que deve ser desenvolvido nas demais unidades de ensino onde seguindo uma orientação da Secretaria Municipal de Educação vários projetos na disciplina de Ciências vem sendo realizados com os temas dengue e chicunkunya.

 

O próximo bairro a receber a ação intensificada com as formas conjuntas é o Cristo Redentor. Na sequência, a força-tarefa seguirá para o bairro Aeroporto.