Corumbá recebe Centro Judiciário de Soluções de Conflitos e Cidadania

Corumbá é o primeiro município do interior do Mato Grosso do Sul a receber o Centro Judiciário de Soluções de Conflitos e Cidadania. A instalação desse centro de mediação aconteceu nesta sexta-feira, 18, em solenidade no Fórum de Corumbá e este é o primeiro dos cinco que o Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (NUPEMEC) do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS) implanta em comarcas do interior.

 

O desembargador João Maria Lós, presidente do TJMS, destacou ser esta uma data marcante não só para Corumbá, mas para o Mato Grosso do Sul, por estar recebendo um importante instrumento que vai modernizar e revolucionar o judiciário brasileiro.

 

“Estamos criando mecanismos de solução de conflitos. Ao invés de se propor um processo, de deixar na mão do juiz para que ele resolva a situação, nós vamos ter esse mecanismo onde as partes participam ativamente através de um conciliador ou um mediador que vai fazer a aproximação, aparar as aresta e resolver o conflito com maior velocidade, com um espírito de conciliação, onde não fiquem pendentes mágoas, que depois podem resultar em outros processos e principalmente desafogando a atividade judicial”, celebrou.

 

Conforme o desembargador, a mentalidade atual é que, qualquer tipo de conflito, se busque a justiça. “A ideia é que se modifique essa maneira de pensar, e se recorra a justiça quando for impossível a reconciliação”, comentou. “Sei que esse é um trabalho árduo. Em Campo Grande já temos cinco desses centros e agora estamos implantando aqui em Corumbá. Depois serão implantados em outros quatro municípios até que consigamos implantar em todas as comarcas, para desenvolver a ideia na mentalidade da população, de buscar sempre primeiro a conciliação”, completou João Maria Lós.

 

O prefeito Paulo Duarte participou da cerimônia. O fato de Corumbá ter sido a primeira cidade do interior a receber o Centro Judiciário de Soluções de Conflitos e Cidadania, mostra o prestígio que o Município tem, junto ao Poder Judiciário.

 

“Esse centro de conciliação vai facilitar e agilizar os processos. Como há uma excessiva judicialização de tudo que acontece, o judiciário muitas vezes fica sobrecarregado, e questões simples acabam chegando ao Supremo Tribunal Federal porque não havia essa visão de conciliação e mediação. Eu só tenho que agradecer, em nome do presidente do TJMS, desembargador João Maria Lós, a todos os integrantes do Poder Judiciário. Esta ferramenta vai melhorar muito o atendimento judiciário em Corumbá e Ladário”, concluiu.

 

O juiz Alisson Kneip Duque, diretor do Fórum em Corumbá, tamb´m destacou asta sexta-feira como um dia que entrará para a história do judiciário corumbaense. “Nós, juízes e servidores, nos sentimos realmente prestigiados e estimulados a retribuir toda a confiança que nos está sendo conferida por meio de trabalho árduo. Resta agora aprender e operar a mediação de modo a extrair dessa técnica, os melhores resultados possíveis, em favor do cidadão de Corumbá e Ladário, que buscam no judiciário na esperança de solução para os seus conflitos”.

 

Alisson ainda lembrou que sempre ouviu do desembargador Romero Osme Dias Lopes que “a mediação era o futuro do judiciário”, e que se assim é “o futuro chegou a Corumbá com prioridade em relação a grande maioria das cidades do Brasil. Então só nos resta agradecer ao presidente João Maria Lós e a todos da administração do Tribunal de Justiça”, concluiu.

 

O Desembargador Romero Osme Dias Lopes, coordenador do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos do TJMS, afirmou que a implantação desses centros judiciários faz parte da grande mudança na cultura da judicialização em Mato Grosso do Sul.

 

“A Mediação e Conciliação agora são formas alternativas de soluções de conflitos e pacificação dos contendores. São métodos de atuação do futuro da justiça brasileira, e o paradigma do advogado do futuro é este. Ele judicializa, ingressando com a ação ou fazendo a contestação para o seu cliente, e em seguida faz a mediação ou conciliação. Estes métodos vieram para ficar”, comemorou.

 

O Nupemec (Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos) do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) implantará outros quatro centros de solução de conflitos nas comarcas de Naviraí, Dourados, Três Lagoas e Ponta Porã.