Vencedora do “Oscar da Gastronomia” diz que precisamos nos orgulhar de produtos regionais

Vencedora de um dos prêmios de gastronomia mais importantes do país (Dólmã) neste ano com a cozinha regional, a chef Vera Chaves revelou os sabores de ingredientes como o baru (castanha do cerrado) e a banana da terra em forma de um suave purê.

 

Essa é uma das propostas do FEGASA (Festival Gastronômico Sabores das Américas), evento realizado pela Prefeitura Municipal de Corumbá, por meio da Fundação de Turismo do Pantanal, e que está movimentando o município pantaneiro em torno da boa mesa.

 

Quando a chef Vera perguntou a platéia se todos conheciam o baru, o coro foi unânime: “não”. Apesar de ser abundante em nosso cerrado, a castanha ainda é pouco usada em receitas mais corriqueiras.

 

A chef lembrou que o consumo do baru além de ser saboroso, pois se assemelha ao amendoim, também traz outras vantagens pois ele é conhecido como “viagra do cerrado” devido às suas propriedades afrodisíacas, porém, na opinião dela, não é apenas por isso que os ingredientes regionais devem ser utilizados em maior proporção.

 

“Hoje, há uma tendência muito forte para o regional porque com o tempo a gente Chef adquirindo hábitos até de gastronomia internacional. A gente achava que comer strogonoff nos anos 70 era chique e que as comidas dos grandes restaurantes internacionais que eram boas. A mandioca que é nossa, por exemplo, era considerada comida de pobre, o quiabo mesmo que usei, a técnica usada foi desenvolvida pela chef Roberta Sudbrack e ganhou prêmio internacional na Espanha”, contou Vera Chaves.

 

“Os franceses tem orgulho do cogumelo, do creme de leite; os italianos, do tomate, do azeite e nós temos que ter orgulho da nossa mandioca, de nosso quiabo e dos peixes, das castanhas que temos no pé aqui”, comparou a chef que é natural do Rio Grande do Sul, mas mora em Mato Grosso do Sul há cerca de 5 anos, período quando se especializou na cozinha sul-mato-grossense.

 

Vera Chaves avaliou positivamente o FEGASA ao dizer que ficou encantada com a receptividade do povo corumbaense, bem como o interesse por conhecer a aprender tudo relacionado ao tema gastronômico.

 

“A prefeitura está de parabéns, o FEGASA é maravilhoso e a cidade comporta esse evento numa data própria porque as pessoas se interessam, há público de todas as idades, até crianças, donas de casas, proprietários de restaurantes, homens e mulheres. O evento está muito bem organizado, os restaurantes e hotéis nos recebendo muito bem”, declarou a chef.

 

Quem também aprova o FEGASA esta na plateria que assiste com grande interesse cada oficina. Com a concorrida busca pelas vagas, a corumbaense Gicele Maria Fernandes, adiantou-se este ano e conseguiu um lugar.

 

“Eu tentei ano passado só que tinha esgotado. Quando abriu, eu já vim logo garantir minha vaga. Acho muito bom porque a gente aprende muitas coisas que a gente nem fazia ideia que podíamos utilizar. Eu mesma não conhecia a castanha de barú e adorei, o sabor é muito bom pois é leve”, comentou.

 

E se a receita acontece bem aos olhos dos alunos é um bom motivo para registrar e colocar nas redes sociais, porém a consequência também é instantânea.

 

“Eu postei no Facebook que estou participando do FEGASA e já começaram os recados cobrando ara que eu faça a receita que aprendi aqui. Com certeza, vou fazer porque adoro cozinhar para os amigos, principalmente nossos peixes”, afirmou.

 

O FEGASA é uma realização da Prefeitura Municipal, por meio da Fundação de Turismo do Pantanal, e da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (ABRASEL) do Pantanal. Conta com a parceria de Fundações e Secretarias Municipais, assim como do SEBRAE/Regional Pantanal.