Empresa combate crise com equipamento moderno e produtos de qualidade

O atual momento da economia mundial não é dos melhores. A situação no Brasil preocupa. Industrias estão apertando o cinto, cortando despesas, reduzindo produção e até mesmo demitindo funcionários. Em Corumbá a situação não é diferente e já atingiu as maiores empresas da região, principalmente no setor da mineração, cuja produção caiu sensivelmente, devido à queda nas exportações, o que originou, inclusive, demissões.

 

Mas, apesar de tudo isso, Corumbá está atraindo investimentos. Dias atrás, uma das maiores redes do segmento varejista do Brasil, a Lojas Americanas, chegou a cidade. Antes a cidade já havia recebido a Casas Bahia, Subway, Chiquinho Sorvetes, entre outros, isto sem contar o frigorífico da Ema (Empresa Marinho de Agropecuária do Pantanal Ltda) e a Caimasul (Caimans do Sul do Pantanal Importação e Exportação Ltda) que vai trabalhar na criação, abate, industrialização e comercialização da carne e couro de jacarés, que entram em operação em 2016.

 

Grandes lojas já instaladas na cidade há alguns anos, também estão ampliando seus negócios. A Gazin inaugurou uma nova loja. A Avenida está ampliando, mais uma vez, e passará a ocupar também um prédio localizado na Rua Delamare, ao lado do Banco Itaú. Existem também os pequenos negócios, micro empreendedores individuais principalmente, que estão desenvolvendo atividades em vários pontos da cidade.

 

“Em momentos como este é preciso criatividade. Tirar, abolir o ‘s’ da crise. Ter criatividade para superar as dificuldades econômicas. A Prefeitura tem feito a sua parte, incentivando iniciativas como estas, sendo parceira dos empresários que investem na região”. É o que afirma o prefeito Paulo Duarte, economista, que tem destacado a atuação de empresários que, apesar do atual momento, acreditam em Corumbá e investem na cidade.

 

O mais recente exemplo citado pelo prefeito é a Cerâmica Vista Bella, fundada 30 anos atrás por Nei Lourenço de Freitas Costa, e administrada pela própria família, caso do filho, Luciano Costa, que investiram na aquisição de equipamentos modernos de alta produção e qualidade, na fabricação de tijolos para atender a demanda local.

 

O novo equipamento, adquirido com recursos próprios da empresa e do FCO (Fundo Constitucional de Financiamento do Centro Oeste) está funcionando há cerca de 10 dias. No último sábado, 01, pela manhã, o prefeito, acompanhado pelo secretário de Governo, Márcio Cavasana, visitou as instalações da Cerâmica Vista Bella, localizada na Vila Mamona, e elogiou a iniciativa da família.

 

“Crise tem que ser combatida com criatividade e o ‘seu’ Ney, o Luciano, a família toda, está fazendo isso. Mesmo em um momento como este, estão investindo para atender melhor a população em uma área importante como a construção civil. A gente fica feliz em ver uma empresa genuinamente corumbaense, uma família corumbaense investir, buscando melhorar ainda mais a produção. Isso só fortalece o comércio, a economia local”, comentou Duarte.

 

Sem demissões

 

E quando se fala em modernos equipamentos, com tecnologia avançada, a primeira preocupação se relaciona a demissões. Nei Costa tratou logo de informar que, na empresa, todos os 40 funcionários continuam trabalhando normalmente. O que ocorreu foram remanejamentos e, ao invés de demissões, ele já pensa em reforçar a equipe. “Estamos planejando retomar a outra olaria e deveremos contratar funcionários”, previu.

 

Com o novo equipamento, a Cerâmica Vista Bella está reduzindo custo de produção. Antes, o trabalho era mais artesanal, manual. Agora, tudo é automático, desde o corte, até o carregador (transporte) dos tijolos para a estufa e, em seguida, para o forno.

 

“A produção aumenta, a qualidade também, e isto garante fornecimento necessário e o cumprimento do prazo de entrega para o cliente”, explica Luciano Costa, ressaltado que todo o processo é rigorosamente controlado eletronicamente. Segundo ele, tudo é feito dentro de um total controle de qualidade desde a análise da matéria prima e de todos os processos de produção, até o carregamento e transporte adequado dos produtos até o cliente.

 

Social

 

Hoje, a Cerâmica Vista Bella atende exclusivamente o mercado local. “Tudo que é produzido aqui, fica na cidade. Não sai nada para fora”, diz Nei Costa, orgulhoso pelo fato de estar contribuindo para o desenvolvimento da cidade. E lá, na empresa, uma palavra está proibida: crise. “Temos que ser otimistas”, diz ele.

 

E é com esse otimismo todo que a empresa ainda desenvolve um projeto social. É da Cerâmica que sai a argila que é transformada em belas peças artesanais que já ganham o mundo, produzidas pelos artesãos da Casa Massa Barro. “Eles realizam um belo trabalho e a gente se sente feliz fornecendo a matéria prima para eles. Isto acontece desde que a Casa Massa Barros foi criada”, diz a esposa de Nei Costa, Conceição Aparecida Costa.