Chef cria receitas com bocaiuva e faz apelo para disseminar uso do fruto pantaneiro

O segundo dia e o terceiro dias do FEGASA (Festival Gastronômico Sabores das Américas) começaram doce com a oficina da chef confeiteira Vanessa Taba que ensinou receitas que levaram como base um ingrediente bem regional: bolo de bocaiuva com merengue de limão siciliano, profiterólis de bocaiuva com crocante de coquinho e cupcake de bocaiuva.

 

Pelo segundo ano participando do evento, que é promovido pela Prefeitura Municipal de Corumbá, por meio da Fundação de Turismo do Pantanal, a chef declarou seu encanto pelo público corumbaense.

 

“Eu fiquei apaixonada pela cidade ano passado. O mais bacana é o interesse para aprender, vocês querem dicas e pulo do gato e para mim como professora também isso é muito satisfatório”, disse ao começar a oficina.

 

As receitas foram um pedido especial da organização do FEGASA que a cada ano escolhe uma temática, porém traz sempre a proposta de valorizar os ingredientes regionais visando fortalecer esses produtos como uma marca das gastronomia corumbaense.

 

“Bocaiuva é de vocês então vamos usar. Esqueçam um pouco do morango e das pastas tradicionais. Teve gente que me levar bocaiuva lá pra São Paulo para fazer os testes e criar para vocês”, alertou a chef.

 

Taba optou por ensinar o pão de ló, uma massa neutra, segundo a chef e que tem seus segredinhos, entre eles, não usar fermento. Outra dica muito importante e que pode ser visualizada pelos participantes foi o jeito correto de misturar a farinha de trigo à massa.

 

“É com muita delicadeza, de baixo pra cima, aerando a massa. Vou mostrar o que acontece quando misturamos do jeito errado”, disse Vanessa ao mostrar que o vigor na forma de misturar faz com que a massa perca o aspecto aerado e seja inutilizada.

 

A chef definiu a confeitaria, ramo da gastronomia dedicada aos doces, como uma ciência exata e orientou os participantes da oficina a buscarem utilizar balanças quando forem prepara as receitas.

 

Assim como todos os chefs participantes desta 4ª edição do FEGASA, Vanessa demonstrou interesse em retornar para o evento no próximo ano quando ele terá uma data especial no calendário do município, conforme assegurou o prefeito Paulo Duarte, pois a Administração Municipal percebeu a dimensão que o FEGASA vem tomando nos últimos anos.

 

Para se ter uma ideía desde a primeira edição do evento em 2010, o número de inscrições mais que dobrou passado de 350 para cerca de 800 neste ano, sem contar uma grande lista de espera para participar das oficinas que colocavam como condição para efetivação da inscrição a doação de uma lata de leite em pó que será doada para entidades filantrópicas que atuam na cidade.

 

Quem não conseguiu inscrição para as oficinas ainda pode acompanhar a transmissão em tempo real das oficinas em auditório refrigerado sem necessidade de contrapartida para a inscrição, permitindo assim o acesso dos interessados a todas as dicas do time de chefs que integra o 4º FEGASA.