Carnaval corumbaense marca abertura do Festival América do Sul Pantanal

O carnaval corumbaense, apontado como o melhor do Centro-Oeste brasileiro, marca nesta quinta-feira, 20 de agosto, a abertura da décima segunda edição do Festival América do Sul Pantanal, com direito inclusive a desfile de escola de samba na tradicional passarela formada pela Rua Frei Mariano e Avenida General Rondon.

 

A abertura oficial está marcada para às 19 horas, na estrutura montada na Praça Generoso Ponce, com  as presenças do governador Reinaldo Azambuja, do prefeito Paulo Duarte e demais autoridades. Mas, antes, a pedida é a apresentação das 10 escolas de samba de Corumbá que se uniram e vão ‘descer’ a avenida por volta das 18 horas, ao som de um samba inédito, especialmente para este evento, “Soy Latino Brasileiro, Corumbaense Pantaneiro e do Samba, Sim Senhor!!!”, letra e música de João Batista da Silva e Souza.

 

O FASP é uma realização em parceria do Governo do Estado e Prefeitura de Corumbá. Devido à atual situação econômica brasileira e mundial, por pouco não foi cancelado. Somente está acontecendo devido ao engajamento de forças envolvendo o Governo e a Prefeitura, bem como os parceiros que apoiam a festa que une povos de todo o continente sul-americano.

 

A programação é extensa nesta quinta-feira. Começou cedo com as oficinas de Viola de Cocho e Siriri, no Iphan; Poética Manoel de Barros, no Moinho Cultural; de percussão com construção de instrumentos artesanais, também no Moinho, e com a Oficina Economia Criativa, Bocaiuva Sangue Latino Moda e Design Artesanal de MS, e Oficina de Criação em Arte Digital, a partir das 14 horas, no Moinho.

 

Antes da apresentação das escolas de samba tem ainda a abertura, no SESC Corumbá, das exposições A Divisão do Estado, de Humberto Espíndola; Corumbá, Sua História, Sua Gente…, com Roberto Higa; Minha Terra Querida e Casarios do Porto, do próprio SESC, de fotografias. Tudo isso a partir das 17h30.

 

O final de tarde tem ainda a abertura da exposição de artesanato dos países sul-americanos (Uruguai, Bolívia, Colômbia, Argentina, Brasil e Peru), a partir das 17h30, na estrutura montada na General Rondon, em frente à Generoso Ponce; exposição Memória Fonográfica de Mato Grosso do Sul, com Carlos Luz; Tenda Saberes Indígenas, tudo a partir das 17h30.

 

Mais atrativos

 

Os atrativos são inúmeros e para todos os gostos. Após a abertura, o palco terá a presença da Banda Municipal Manoel Florêncio e Coral Cidade Branca; premiação e exibição do vídeo vencedor do concurso Soy Loco por Ti América com o tema “O Olhar da Juventude”; desfile de modas Economia Criativa – Bocaiuva Sangue Latino Moda e Design Artesanal de MS).

 

Tem também as homenagens ao poeta e matemático chileno Nicanor Segundo Parra Sandoval, consagrado nos países de língua espanhola, e que mora em Las Cruces, povoado de 2 mil habitantes no litoral chileno, a 100 km da capital; e também a Renato Fernandes, um dos mais rebeldes dos músicos que passaram por Mato Grosso do Sul, falecido agora, em 2015.

 

Destaque também para o show com o Grupo Acaba, uma das bandas mais representativas da música do Estado que surgiu nos festivais estudantis dos anos 60, em Campo Grande; às 21h30; teatro às 22h30: A Sombra Ação, com Cia. Maria Mole; show musical às 22h40 com Tambores do Tocantins, tudo isso no palco da praça.

 

No Corumbaense, durante o dia, tem a oficina de Modelagem em Argila, com Enilson de Campos, da Casa de Massa Barro; Bulixo Cultural – Artesanato e Gastronomia de Fazenda, a partir das 17h30, e Bocaiuva Sangue Latino Moda e Design Artesanal de MS, com Videomapping – Coletivo VivaRua/Feira, com DJs Modesto Seletor e João Gabriel, e o Sarau Boemia Cultural.

 

Estrutura

 

A estrutura do Festival América do Sul Pantanal (estandes e palcos) foi montada na Praça Generoso Ponce e na Avenida General Rondon. Segundo o coordenador de infraestrutura, Gustavo Castelo, são dois palcos na praça, onde acontecerão os show musicais, teatro e dança; além de um painel de led de 18 metros.

 

Já na Avenida General Rondon foram montados 14 estandes, sendo sete dos países, mais um dos saberes indígenas, um da Prefeitura de Corumbá, um do Sebrae, um da  Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; um de artesanato do Estabelecimento Penal masculino e feminino e um de exposições.

 

Ao lado da praça, na Rua Arthur Mangabeira, a Prefeitura montou a Praça de Alimentação onde estarão os “comerciantes especializados em comida de rua, comidas típicas como o churrasco pantaneiro, feito no chão, e com alguns pratos feitos com peixe. Também teremos comida mexicana, costela gaúcha, acarajé e tapioca”, explicou Antônio Albaneze, coordenador gastronômico.