Após caso, Corumbá realiza ação emergencial contra chikungunya

Equipes da Secretaria Municipal de Saúde iniciaram na manhã desta quinta-feira, 23 de julho, o Plano de Ação Emergencial no Controle do Vírus Chikungunya na área central da cidade, região onde se localiza a residência do homem que foi detectado positivamente para a doença que é transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti.

 

Dentro da estratégia de atuação, está promover o trabalho de controle do vetor que envolve a retirada das larvas e eliminação de possíveis focos, bem como a borrifação com produtos químicos para combate aos mosquitos adultos.

 

A ação, que envolve ainda o trabalho educativo com orientações e entrega de panfletos, atinge um raio de 150 metros da residência onde vive o homem infectado como forma de conter a dispersão do vírus. A preocupação da Secretaria de Saúde é quanto à esposa do infectado que há cerca de 10 dias passou a apresentar sintomas compatíveis com a Chikungunya.

 

O caso confirmado foi considerado como importado da Bolívia, pois o homem afirmou ter visitado a cidade de Santa Cruz de La Sierra, dias antes de manifestar os sintomas. Na cidade boliviana, há números expressivos de suspeitas e casos confirmados por isso a Secretaria de Saúde de Corumbá prevê a necessidade de trabalho conjunto com a Bolívia, através do Comitê Binacional de Saúde.

 

Em cada residência visitada, as equipes buscam estimular os cuidados e chamar a responsabilidade que os moradores precisam ter para evitar a propagação do mosquito vetor. Nas casas fechadas, as equipes fazem o registro para retornarem em períodos diferentes do dia.

 

Apesar de serem transmitidas pelo mesmo vetor, as equipes orientam para os sintomas diferenciados dos quais se sobressaem os edemas (inchaços) nas articulações, o que pode incapacitar a atividade laboral por um bom tempo. Além disso, a pessoa infectada também pode manifestar febre alta, sintomas que podem persistir por meses.

 

As orientações para a prevenção da doença são as mesmas utilizadas para a dengue que possui também o Aedes Aegypti como vetor: Descarte todos os objetos não utilizados que estiverem expostos às chuvas e podem acumular água: pneus, latas, garrafas, baldes, etc; tampe os tonéis e depósitos de água e troque diariamente a água dos bebedouros dos animais; coloque terra ou areia nos vasinhos de plantas, ou lugares que acumulem água; coloque o lixo em sacos plásticos, e mantenha a lixeira completamente tampada; tampe bem os recipientes que utiliza para acondicionar água: garrafões, jarras, taques, etc; troque a água das plantas a cada três dias.