Antes de iniciar as obras, história da praça foi minuciosamente apurada

Toda a história da Praça da Independência, desde o início de sua construção, em 1915, até a última grande reforma realizada na década de 90, foi minuciosamente apurada pela Fundação de Desenvolvimento Urbano e Patrimônio Histórico de Corumbá (Fuphan) antes do início da requalificação proporcionada pelo PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) das Cidades Históricas.

 

“Antes de iniciar essa etapa, foi feita uma documentação chamada Levantamento e Conhecimento do Bem. Isso envolveu uma série de pesquisas históricas em relação a praça e todas as outras obras do PAC, mapeamento de danos, levantamento histórico. Foi uma analise muito profunda antes de fazermos essa intervenção”, comentou nesta terça-feira, 16 de junho, a diretora-presidente da Fundação de Desenvolvimento Urbano e Patrimônio Histórico, Maria Clara Scardini.

 

“Ninguém está aqui brincando de preservar ou limpar um espaço. O nosso trabalho é técnico, tem conhecimento e não é feito sozinho. Fizemos nosso planejamento juntamente com instituições sérias, de preservação do patrimônio histórico. Isso tudo para que a gente garanta ao povo corumbaense o resgate da sua linda história”, completou a primeira-dama, que também explicou a primeira fase de intervenção na Praça.

 

“Esse piso está sendo removido integralmente porque aqui vai se passar muita tubulação de iluminação, de irrigação automatizada para irrigar todos os nossos canteiros. E nós, durante os estudos técnicos, avaliamos que é impossível manter o piso com todos os recortes que ele sofrerá aqui na praça”, detalhou.

 

Maria Clara afirmou ainda que todas os elementos que constituem o conjunto arquitetônico do local serão recuperados por especialistas da área. “Nosso coreto, assim como todas os monumentos históricos e as esculturas que precisam ser recuperadas tecnicamente, estão previstas dentro da obra. O coreto vai receber uma iluminação cênica, nossa praça vai ficar muito bonita. Nosso lago vai voltar a funcionar com chafariz, com iluminação, só não vai ter os animais porque isso já não pode ter”.

 

Segundo a diretora-presidente da Fuphan, o Jardim da Independência é o principal cartão postal do Centro histórico de Corumbá. “É uma obra polêmica, que causa algum transtorno urbano porque ela está bem na área central da cidade e precisa ser fechada. As pessoas vão deixar de cruzar por aqui temporariamente, mas com certeza elas vão entender isso porque essa obra vai ficar um brinco, uma jóia que nossa cidade merece”.

 

“Pra chegar neste nível que estamos, no lançamento dessa obra, o nosso Instituto, que é preservação histórica, juntamente com o Iphan – e aqui quero fazer um agradecimento especial em nome da Silvia (Cedron) para a Norma (Ribeiro), que é a superintendente aqui em nosso Estado – fez um esforço enorme. Esse recurso, vindo do Ministério da Cultura por meio do Iphan, foi conseguido aos 45 minutos do segundo tempo pelo prefeito Paulo Duarte e pelo senador Delcidio do Amaral”, lembrou.

 

Agradecendo o trabalho de sua equipe, Maria Clara pediu o apoio e a compreensão da população durante o período das obras, estimado em 12 meses. “A gente precisa torcer, acreditar no trabalho das pessoas, na ação de quem acredita e quer que nossa cidade fique mais bonita. Estamos lançando nossa segunda obra do PAC Cidades Históricas, com muito orgulho e garanto a vocês que somos apaixonados pelo que fazemos. Queremos que todos esses prédios que hoje estão em condições precárias, quase caindo, ficarão maravilhosos, lindos e tendo uma utilidade pública para o cidadão corumbaense”, concluiu.