Corumbá lembra Dia Mundial sem Tabaco e mantém programas preventivos

O Dia Mundial sem Tabaco é celebrado em 31 de maio, próximo domingo, e para lembrar a data, a Prefeitura de Corumbá está fortalecendo cada vez mais o Programa de Prevenção primária de Câncer/Tabagismo, com vista à prevenção de doenças na população e estimulando a adoção de comportamentos e estilos de vida saudáveis que contribuam para a redução da incidência e mortalidade por câncer e doenças tabaco-relacionadas na região.

 

O programa é desenvolvido pela Secretaria de Saúde, por meio do Núcleo de Prevenção Primária de Câncer/Tabagismo, no Centro de Saúde da Ladeira Cunha e Cruz que faz um alerta sobre os riscos de doenças causados pelo cigarro.

 

A equipe do programa alerta que a nicotina é uma substância orgânica encontrada nas folhas do tabaco, uma planta originária das Américas. Entre as mais de 4.700 substâncias nocivas presentes no cigarro, a nicotina é a responsável pela dependência, que é maior do que a de drogas como a cocaína e a heroína.

 

Em doses excessivas, é extremamente tóxica: provoca náusea, dor de cabeça, vômitos, convulsão, paralisia e até a morte. Na agricultura é utilizada como um inseticida, na pecuária como vermífugo.

 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que o uso de produtos derivados do fumo é a segunda causa de mortalidade no mundo, respondendo por um em cada dez óbitos registrados entre adultos. O fumo só perde, em número de mortes, para a hipertensão.

 

Sob diferentes formas e sabores, todos os produtos de tabaco causam prejuízos à saúde e ao bolso do fumante, uma vez que além de ter que arcar com os gastos mensais com a compra de pacotes de cigarros, o consumidor desses produtos geralmente gasta parte do salário com medicamentos para tratar doenças relacionadas ao tabagismo.

 

Benefícios

 

Para se ter uma ideia dos benefícios para a pessoa que para de fumar, 20 minutos após a parada, a pressão arterial e os batimentos cardíacos retornam ao normal; um dia após a parada, as chances de infarto começam a se reduzir; três dias após a parada, há um aumento da capacidade respiratória; em duas semanas, a circulação sanguínea melhora; de um a nove meses, a tosse e as infecções das vias aéreas vão cessando. A capacidade física melhora; em um ano, o risco de doença coronariana diminui em 50%; em 10 anos, caem as chances do aparecimento de câncer, e de 10 a 15 anos, o perigo de desenvolver problemas cardíacos se iguala ao de uma pessoa que nunca fumou.

 

Proibidos

 

Cigarros com aditivos como chocolate, baunilha, menta, cravo  e morango estão proibidos no País. Depois de mais de um ano de discussão e muita polêmica, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou no dia 13 de maio de 2014 uma resolução que impede o uso de substâncias que mudam o sabor ou o cheiro de produtos de fumo.

 

A medida, na prática, passa a valer dentro de um ano e meio. Este é o tempo dado para a indústria mudar a linha de produção e escoar ou recolher o produto existente no mercado. Para cigarrilhas e charutos, o prazo é maior: 18 meses para interrupção da produção e seis meses, para retirada dos produtos do comércio.

 

A proibição de aditivos aromatizantes e que emprestam sabor aprovada pela Anvisa atende a uma recomendação da Convenção Quadro do Tabaco, acordo mundial com medidas para reduzir e prevenir o tabagismo, do qual o Brasil é signatário.

 

Médicos e grupos antitabagistas asseguram que a adição de produtos que alteram o sabor e cheiro do cigarro é uma tática há tempos usada pela indústria para atrair novos fumantes, principalmente crianças e adolescentes.

 

Uma pesquisa feita pelo jornal O Estado de São Paulo com 17 mil estudantes de 13 a 15 anos, em 13 Estados do País, mostrou que a maioria dos alunos que já experimentaram cigarro preferiam os com sabor, principalmente os mentolados.

 

O Dia Mundial sem Tabaco é comemorado em todos os países membros das Nações Unidas. A Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) e seus parceiros mundiais lideram a campanha, que este ano tem como tema a eliminação do comércio ilegal de produtos de tabaco e ressaltar os riscos associados ao uso do tabaco, defendendo políticas efetivas para reduzir seu consumo.

 

Em muitos aspectos, como o da saúde, legal e econômico, de governança e corrupção, o comércio ilegal de produtos de tabaco é uma preocupação global. O mercado ilegal de tabaco domina dez por cento dos cigarros consumidos mundialmente, de acordo com dados dos sistemas de controle de alfândega internacionais.

 

A Comissão Europeia estima que o mercado ilegal de cigarros custe à União Europeia e seus Estados Membros mais de €10 milhões anualmente em impostos e taxas alfandegárias não arrecadados. O comércio ilegal não é apenas um problema em países de alta renda.

 

Quase todos os países do mundo estão sujeitos ao comércio ilícito de uma forma ou de outra. Em resposta à ameaça imposta pelo comércio ilegal de tabaco, a comunidade internacional negociou e adotou em novembro de 2012 o Protocolo para Eliminação do Comércio Ilegal de Produtos de Tabaco.

 

Em Corumbá, as pessoas que desejarem parar de fumar, basta procurar o Centro de Saúde da Ladeira Cunha e Cruz, ou ligar para o telefone 3907-5274, para receber maiores informações sobre o Programa de Prevenção primária de Câncer/Tabagismo.