Corumbá acompanha Ministério da Saúde e prorroga vacinação até dia 05

A campanha nacional de vacinação contra a gripe foi prorrogada pelo Ministério da Saúde até o dia 05 de junho e, em Corumbá, a Prefeitura, por meio da Secretaria de Saúde, também vai acompanhar a decisão e prosseguir com a imunização até o próximo mês. Anteriormente, devido ao baixo índice atingido, o setor de saúde pública da cidade já havia decidido prolongar a vacinação até 29 de maio.

 

A decisão do Ministério se deve ao fato de que, até esta sexta-feira, 22, último dia da campanha, a cobertura vacinal atingiu somente 46,2% do público-alvo. A prorrogação tem como objetivo chegar à meta de vacinar 80% das pessoas mais vulneráveis às complicações da gripe

 

No País, até a manhã desta sexta-feira foram vacinadas mais de 23 milhões de pessoas, o que representa 46,2% do público-alvo, formado por 49,7 milhões de pessoas, consideradas com mais riscos de desenvolver complicações causadas pela doença.

 

Em Corumbá, para atingir a meta, equipes volantes da Secretaria de Saúde, a partir da próxima semana, vão percorrer igrejas, feiras livres e outras localidades em busca do público alvo da ação.

 

“O ultimo balanço apontou 7.777 vacinados, ou seja, apenas 32% da meta traçada para a cidade. Por isso vamos ampliar este trabalho e buscar a população de forma ativa”, comentou a secretária de Saúde, Dinaci Ranzi. Um cronograma está sendo elaborado para atender todas as regiões do município até o dia 29 de maio.

 

As doses também podem ser encontradas nas unidades de saúde: Padre Ernesto Sassida, no Dom Bosco; Ênio Cunha I, na Cervejaria; Ênio Cunha II, no Dom Bosco; Centro de Saúde da Ladeira; Fernando Moutinho, no Cristo Redentor; Kadwéus, no Guanã; Humberto Pereira, no Nossa Senhora de Fátima, e Paulo Maissato, na Nova Corumbá que está aberto no período das 18 às 21 horas.

 

A meta é vacinar 24.342, sendo 9.729 idosos com 60 anos para cima; 8.255 crianças com idade entre seis meses e menores de cinco anos; 2.939 trabalhadores em saúde; 1.487 gestantes; 244 puérperas com até 45 dias após parto; 163 indígenas; 1.525 portadores de doenças crônicas não transmissíveis e em condições clínicas especiais, além de pessoas privadas de liberdade e funcionários do sistema prisional.