Prefeitura divulga pesquisas de preços de produtos da Semana Santa

A Prefeitura de Corumbá, por meio da Fundação Procon, realizou pesquisa de preços de ovos de páscoa e também dos principais produtos consumidos durante a Semana Santa, como peixes, queijo, fubá saboró e até mesmo o ovo de Páscoa, como forma de mostrar à população, os preços praticados no comércio local.

 

Este ano, conforme a diretora-presidente da Fundação Procon, Andréa Cabral Ulle, a pesquisa foi desenvolvida em vários supermercados da cidade, inclusive localizados na parte alta, considerados de menor porte, como o Mercadinho 2000, no Guanã, e o Mercado do Povo, no Bairro Generoso.

 

Antônio Bordin, do 2000, por exemplo, ficou surpreso com o fato de seu eu estabelecimento ter sido lembrado na pesquisa. Ele informou à equipe do Procon que já está com os ovos de Páscoa estocados, “em uma sala refrigerada, para manter a qualidade do produto, já que aqui, o calor é intenso”.

 

Já o Mercado do Povo não está comercializando o produto. Segundo a proprietária, Ana Silvia, isto se deve justamente ao forte calor, o que acaba ocasionando perda do produto.

 

A pesquisa foi realizada esta semana pelas equipes do Procon no Atacado Fernandes, Supermercados Quadri, Supermercado Frey, Mercadinho 2000 e MS Frios.

 

A maior variação de preços de ovos de Páscoa chega a 36.35% e o produto é o Ovo Surpresa Mickey, da Nestlé que foi encontrado no valor de R$ 24,90 em um estabelecimento, e R$ 33,95 em outro.

 

Dos supermercados pesquisados, dois apresentam o maior número de ovos com o menor preço. “Apesar de compreendermos que a magia da Páscoa remete os consumidores a compra dos ovos, o Procon de Corumbá, buscou alternativas que pudessem ajudar a população a não deixar de consumir o chocolate, um dos símbolos desta data comemorativa. Assim, tivemos a iniciativa de pesquisar o preço das barras de chocolate, que podem substituir o tradicional ‘Ovo de Páscoa’ para aquelas famílias que não detém uma renda suficiente para o consumo dos ovos”, explicou Andréa.

 

A variação no valor das barras de chocolate pesquisadas foi de 39,85%. “Se analisarmos o preço, por exemplo, de uma barra de chocolate Diamante Negro (170g), R$ 7,35, e o Ovo Diamante Negro (750g), R$ 99,95, consumindo a mesma quantidade de chocolate, a economia será de R$ 67,50. Portanto, o preço que se paga pela ‘magia da Páscoa’ supera em muito o valor real e comercial do mesmo produto só que em formato diferenciado”, observou.

 

Quanto aos demais produtos consumidos nessa época do ano, o bacalhau apresentou uma variação de 29,13% e o peixe, Pacu, chegou a 25,04%. Além dos produtos citados entraram também na pesquisa o atum e sardinha em lata, frango inteiro, sardinha congelada in natura, fubá saboró e queijo, todos utilizados e consumidos tradicionalmente na região na Semana Santa.

 

Abaixo, os links com resultados das duas pesquisas.