De volta à temática infantil, A Pesada veio forte em busca o tricampeonato

Consagrada pelos enredos que destacam as fábulas e contos infantis, a escola de samba A Pesada apostou na mesma temática para conquistar o tricampeonato do Grupo Principal do Carnaval Cultural de Corumbá. Neste ano, a agremiação apresentou na General Rondon o enredo “Saudade da Minha Infância Querida, Aurora da Minha Vida – Eu Era Feliz e Não Sabia”.

 

Com muito luxo, belas fantasias e empolgados foliões, a escola comparou as brincadeiras de antigamente com os recursos tecnológicos atuais, ferramentas que atraem cada vez mais cedo os pequenos.  Com 1300 componentes, A Pesada veio dividida em 15 alas, seis carros alegóricos e seis setores. Um dos grandes destaques do desfile foi o primeiro carro alegórico, enfatizando a era robótica.

 

A bateria, sempre forte e marcante, também cumpriu seu papel. Vestida de mulher aranha, a madrinha Samya Cristine novamente deu um show de simpatia e samba no pé. Vestidos de He Man e Sherra, o primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, levantou o público, que permanece ocupando todos os espaços da Passarela Pantaneira do Samba.

 

As alegorias também chamaram a atenção. Todas muito bem elaboradas e com acabamentos perfeitos. Duas delas trouxeram os peões, brinquedos que divertiram durante décadas os mais velhos. As fantasias com temas mais atuais, como o herói Buzz Lightyear e os Transformes, ala que inclusive foi coreografada, foram outros destaques da Pesada.

 

No final, a agremiação ainda deixou um recado extremamente importante na avenida. Eles trouxeram o Disque 100, serviço de utilidade pública destinado a receber demandas relativas a violação dos Direitos Humanos, em especial a violência infantil. O desfile da Pesada terminou com a mensagem “Educa a criança no caminho em que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele”, um trecho da Bíblia em Provérbios 22-6.