Com magia do circo, Acadêmicos do Pantanal faz metáfora com cotidiano

A Acadêmicos do Pantanal apostou na magia do circo para encantar o público durante o desfile pela passarela do samba. Com o enredo, “O Espetáculo da vida”, a agremiação se apresentou com cerca de 700 componentes que representaram as principais atrações circenses: palhaços, equilibristas, domadores e demais artistas.

 

A escola investiu na alegria, característica do ambiente circense, para cativar não apenas o público infantil, mas o adulto ao associar a temática do enredo numa metáfora com a vida.

 

O malabarismo para superar as dificuldades do cotidiano veio representado na comissão de frente cujos integrantes evoluíam com acrobacias e contorcionismos.

 

No carro abre-alas, a alegoria mais representativa foi o globo da morte, que simbolizou o eterno desafio da vida. No mesmo carro também veio o símbolo da escola, o tuiuiú.

 

Em outro carro, as alegorias trouxeram os diversos animais que tradicionalmente são domados e são usados para números de desafio como os leões.

 

Na bateria comandada pelo mestre José, os ritmistas se trajaram de integrantes de banda de circo e realizaram o recuo na rua XV de Novembro, onde a madrinha da bateria, Thais, representou “a estrela do espetáculo”.

 

A tradicional ala das baianas trouxe o simbolismo dos vendedores de guloseimas que caminham entre as fileiras do público. Para encerrar o desfile da Acadêmicos do Pantanal, a carnavalesca da escola, Jackelyny Pazzolyny ocupou o topo do carro alegórico na companhia de demais destaques.