Grupo de Trabalho inicia discussão em torno do ordenamento do Porto

Os integrantes do Grupo de Trabalho criado pelo prefeito Paulo Duarte para discutir uma proposta de ordenamento do uso da região do Porto Geral de Corumbá, vão ser apresentados na tarde desta segunda-feira, 26, durante reunião programada para as 17h30, na sede da Fundação de Turismo do Pantanal, localizada no Porto Geral.

 

O Grupo foi criado por meio de decreto e será integrado por pessoas ligadas à Fundação de Turismo do Pantanal, Agência Municipal de Trânsito (Agetrat), Coordenadoria Municipal de Segurança, Fundação de Desenvolvimento Urbano e Patrimônio Histórico (Fuphan), Fundação de Meio Ambiente do Pantanal, Secretaria de Governo, Marinha e do Corpo de Bombeiros.

 

Segundo a diretora-presidente da Fundação de Turismo, Hélènemarie Dias Fernandes, na reunião, além da apresentação dos representantes de cada órgão envolvido, marcará também o início das discussões visando organizar o espaço compreendido entre a captação de água bruta da Sanesul e o mirante existente no Beco da Candelária com a Rua Mariano Cavassa, na entrada do Bairro Beira Rio, como forma de garantir a segurança e salvaguardar a população local e os turistas, bem como preservar o meio ambiente.

 

O assunto será também debatido com representantes dos mais diferentes segmentos que utilizam o local, antes do encaminhamento da proposta final do prefeito Paulo Duarte. Isto tudo deverá ser cumprido em um prazo de 60 dias.

 

A intensão da Prefeitura é promover o ordenamento de uso do espaço, proporcionando seguranças às pessoas que frequentam o local. Na prainha do Porto Geral, por exemplo, veículos, barcos e jet ski acabam ocupando um espaço utilizado também por banhistas, colocando a segurança das pessoas em risco.

 

A proposta é estabelecer um espaço somente para os banhistas, para transporte de mercadorias e de embarcações, bem como definir área para jet ski, evitando que aconteçam manobras em meio aos banhistas, como ocorre normalmente. A prainha, por exemplo, deverá ser utilizada somente pelos banhistas, com proibição da circulação de veículos no local, inclusive para descarregar produtos e embarcações.