Pantanal Sul é rota de expedição documental pelo Brasil em janeiro

As belezas naturais do Pantanal Sul e Bonito serão personagens do documentarista de natureza, Fernando Lara. Empenhado em registrar as belezas selvagens do Brasil, o expedicionário irá percorrer mais de cinco mil quilômetros entre Minas e o Mato Grosso do Sul, entre os dias 5 e 25 de janeiro.

 

Serão 20 dias de estrada em uma expedição rústica a bordo de duas Toyotas Bandeirantes, a Onça Preta e o Lobo Guará. Ao lado dele uma equipe formada por biólogos, fotógrafos e assistentes de diversos estados brasileiros. Durante todo o trajeto, a equipe irá acampar, fazer a própria comida em campo, tomar banho de rio a aprender com Fernando Lara diversas técnicas relacionadas ao planejamento e execução de uma expedição de verdade.

 

Todo o percurso será registrado em foto e vídeo pela equipe em campo. A proposta é divulgar todas as emoções da Expedição em ‘real time’ pelas redes sociais e produzir um vídeo documentário que será exibido pela internet e também no programa apresentado pelo documentarista de natureza, Fernando Lara, na TV Cultural Vale do Aço.

 

“Nesse ambiente, a natureza e os desafios da própria Expedição colocarão a prova os integrantes dessa jornada, físico e psicologicamente”, afirma Fernando Lara. O objetivo é registrar durante todo o projeto as belezas de fauna, flora, aspectos antropológicos e geográficos das regiões visitadas.

 

Um dos pontos de destaque da Expedição será a RPPN Cara da Onça, em Bodoquena, grande parceira de Fernando Lara na realização desse projeto. O local será base da Expedição durante cinco dias em que a equipe estiver registrando a região. A unidade de conservação está localizada no entorno do Parque Nacional da Serra da Bodoquena, que também está apoiando o projeto por meio do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Logo em seguida, a equipe segue estrada em direção ao Pantanal Sul.

 

Retorno

 

Essa não é a primeira vez que Fernando Lara registra o Pantanal Sul, Bonito e Bodoquena. Em 2011, o documentarista de natureza percorreu sozinho, mais de 20 mil quilômetros de motocicleta registrando mais de 30 unidades de conservação do Brasil, em 20 estados, durante oito meses de trabalho. Entre os locais de destaque, estão o Parque Nacional da Serra da Bodoquena e Bonito.

 

Os grandes desafios fazem parte da carreira do documentarista. Em quase 15 anos de carreira, o expedicionário já registrou unidades de conservação em todos os estados brasileiros e diversos países da América do Sul e África (Ruanda, Uganda, Quênia e Tanzânia). (Com informações de Tainá Jara- Assessoria)