Moinho In Concert apresentou uma década de sonhos e arte em espetáculo

A linha do tempo traçada em cima do palco é muito mais que um recorte demonstrativo da evolução conquistada com 10 anos de atividades. O espetáculo “Moinho de Arte e Sonhos” marcou uma década de ações do projeto social pontuada pela transformação cidadã de crianças a adolescentes através da arte da dança e música.

 

Com a mesma disciplina, um dos pilares ensinados na escola de artes instalada no antigo prédio onde funciona um moinho de trigo, o espetáculo começou pontualmente às 20 horas e começou a encher de emoção o público que ocupou as centenas de cadeiras disponibilizadas. Quem não conseguiu um assento, não se importou em ficar de pé e assistir, por mais de uma hora de meia de duração, o espetáculo que trouxe coreografias que marcaram os dez anos do Moinho a começar pelo ano de 2006.

 

Durante o caminhar do espetáculo foi possível notar a evolução dos integrantes do Moinho que começaram com composições musicais simples, mostrando o início de uma didática que foi se moldando num crescente, tal qual o canto e a dança que, juntos, fazem de cada Moinho In Concert um momento de grata surpresa e orgulho para os corumbaenses.

 

Prestigiando o espetáculo, o prefeito de Corumbá, Paulo Duarte, acompanhado da primeira-dama, Maria Clara Scardini, se encantaram com toda a trajetória do projeto que tem a Prefeitura Municipal como parceira.

 

“A Prefeitura reconhece a importância dessa história tanto é que tem fortalecido muito a parceria com o Moinho Cultural. Corumbá é uma fábrica de talentos e atestamos isso com o Moinho onde vemos centenas de crianças. O mais importante é que temos muitos artistas, porém o projeto também é de inclusão social, que traz crianças de outras regiões, não apenas de Corumbá e Ladário, mas da Bolívia, que vem aqui e se apresentam, fortalecendo a auto-estima”, declarou ao afirmar que o Moinho é um grande propagador positivo da cidade.

 

‘A gente que fortalecer, cada vez mais, essa parceira porque o Moinho Cultural é uma forma de mostrar o talento de Corumbá para todo o Brasil”, disse Duarte sobre o projeto que, atualmente, atende cerca de 400 crianças de Corumbá e Ladário, Brasil, e de Puerto Quijarro e Puerto Suarez, na Bolívia, com aulas de música, dança, línguas e reforço escolar.

 

Idealizadora do Moinho Cultural Sul-Americano, Márcia Rolon, vice-prefeita e diretora-presidente da Fundação de Cultura de Corumbá destacou o que ficou nítido no palco durante o espetáculo: a formação de cidadãos através da arte.

 

“É lindo, principalmente, olhar a evolução, então o espetáculo trouxe um pouco disso. Lembrar que essas crianças entraram tão pequeninas e temos bailarinos aqui excelentes, prontos tecnicamente e o mais importante é a responsabilidade com que eles sem colocam. Dos dez anos o que a gente tira é disciplina, respeito, responsabilidade. São três palavras que há 10 anos a gente fala muito no Moinho, isso que importa: a formação integral dessa criança”, falou.

 

Ela disse ainda que essa década é um marco que projeta novas ações, visando ampliar esse atendimento a mais crianças a adolescentes, porém ressaltou que é vital a participação da sociedade nesse propósito.

 

“A gente precisa muito de força, de garra, mas de parceria. Agradecemos aqui cada um, pessoas que realmente são parceiras e temos que conscientizar as pessoas disso: que, às vezes, a pessoa física pode fazer a contribuição voluntária. Para a prospecção de mais 10, 20 anos, para a continuidade desse trabalho não depende mais dos nossos sonhos mais, depende de uma luta muito grande de pessoas da sociedade que devem se perguntar se querem que isso continue e, se sim, que arregacem a manga e venham somar conosco”, convidou ao comentar que já existe um novo projeto formatado para expandir a atuação do Moinho para além dos muros de sua sede.