Concerto de Santa Cecília encanta público em noite de muita emoção

Esta foi a sua décima quarta edição. O Concerto de Santa Cecília já esteve em diversos palcos, no auditório do Colégio Santa Tereza, no anfiteatro Salomão Baruki, na praça Generoso Ponce… Agora, pela primeira vez, o espetáculo aconteceu no auditório principal do Centro de Convenções – Sesc Corumbá, às margens do Rio Paraguai, no Porto Geral.

 

Tudo isso já seria um grande atrativo para o público corumbaense. Mas, teve mais. Teve um grande espetáculo com a Banda Municipal de Música Manoel Florêncio que encantou os presentes com um repertório bastante eclético, arrancando aplausos de pessoas de todas as idades. Mais uma vez o Coral Cidade Branca deu brilho ao espetáculo, assim como os cantores Wagner Alves Pereira, Bruna Bispo Gonçalves da Silva e Dorcas Angélica, e o Coral Jubilosos de Sião.

 

O XIV Concerto de Santa Cecília propiciou aos presentes, uma viagem pelo mundo da música, iniciada com a 5ª Sinfonia de Ludwig Van Beethoven; passando por Triunfal March From Aída, de Giuseppe Verdi; Rosen Aus Dem Suden (Rosas Do Sul), de Johann Strauss; Sinfonia Pátria, de Mariano Bartolucci, regido por Weimar Cezaretti, como convidado especial.

 

A viagem lembrou também o eterno Frank Sinatra que eternizou a música My Way, de Claude François, Jacques Revaux e Paul Anka. Como atrativo, o professor Wagner Pereira que fez uma bela interpretação, arrancando aplausos dos presentes, entre eles, o prefeito Paulo Duarte; a primeira dama e presidente da Fundação de Desenvolvimento Urbano e Patrimônio Histórico, Maria Clara Scardini, e a diretora-presidente da Fundação de Cultura, que coordenou o espetáculo, Márcia Rolon .

 

Outros atrativos foram a Sinfonia do Novo Mundo, de Antonin Dvorak; Don’t Cry For Me Argentina, de Andrew Lloyd Webber, com participação dos corais Cidade Branca e Jubilosos de Sião, e da cantora Bruna; Grande é o Senhor! Grande é Jeová, com melodia da Ópera de Tannhäuser, de Richard Wagner, que teve na regência Walterson Teixeira da Silva; Va Pensiero (Nabuco), de Giuseppe Verdi; Fidelidade, de Danielle Cristina; Aleluia (O Messias), de George Friedrich Handel.

 

Emoção

 

O espetáculo emocionou os presentes. “Foi um show belíssimo. Todos estão de parabéns, os músicos, os maestros, os cantores, os nossos corais, a equipe que organizou e este público maravilhoso que esteve aqui e lotou este novo espaço que a Prefeitura e o Sesc Corumbá estão disponibilizando”, destacou o prefeito Paulo Duarte.

 

“Foi belo e emocionante ao mesmo tempo. Não ficou devendo nada a outros espetáculos de grandes centros”, continuou Duarte, enaltecendo equipe que “escolheu a dedo o repertório”, e que, mais uma vez mostrou que “respira arte, respira cultura”.

 

Márcia Rolon também se disse emocionada. Elogiou o espetáculo, os músicos, cantores, corais, os maestros e o público que, na sua opinião, teve a oportunidade de presenciar “um belo espetáculo”. Conforme ela, Corumbá tem o “privilégio de ter uma banda que proporciona um show com som de orquestra sinfônica”.

 

O maestro José Carlos Marques Pereira também ficou entusiasmado com o espetáculo. Apesar dos 17 anos à frente da instituição, dos quais 14 comandando o Concerto de Santa Cecília, ele se emocionou e confidenciou, no final do espetáculo de ontem, que se sentia “com o dever cumprido”.

 

“Foi resultado de um ano de trabalho. Quando a gente retorna das férias, em janeiro, já começa a pensar no Concerto de Santa Cecília, no repertório que tem que ser bastante eclético, que agrade ao público. Mais uma vez nos sentimos recompensado”, disse.

 

José Carlos e também regente Kleber de Carvalho Jares, iniciaram o trabalho para esta edição do Concerto de Santa Cecília em janeiro de 2014. A Banda Manoel Florêncio conta hoje com 30 músicos que, até dias atrás, focaram outros eventos, todos com sucesso.

 

“A gente começa a pensar no Concerto em janeiro, mas temos também o carnaval, que é mais o frevo, difícil de executar; o Arraial do Banho de São João; aniversário da cidade; o casamento comunitário, que também exigiu uma performance diferente, e agora o Concerto. Todas estas atividades, além das outras que participamos, exige um trabalho diferente, e é gratificante chegar ao final do ano com um espetáculo como este”, disse.

 

O maestro lembra que a Banda Manoel Florêncio está hoje com 30 alunos, mas já teve bem mais componentes. “Muitos acabam nos deixando e seguindo novos caminhos. Temos alunos que saíram daqui para as bandas da Marinha, do Exército, da Aeronáutica, entre outras. Temos alunos não só aqui em Corumbá, mas em Brasília, Rio, Manaus…”, revelou.

 

Para ele, tudo isto é fruto de um trabalho desenvolvido na instituição. “Isto mostra que estamos cumprindo o nosso trabalho que é formar cidadãos acima de tudo. Recentemente tivemos um ex-aluno, que integrava a banda, o Wesley Monteiro, que passou em primeiro lugar na Escola de Especialista da Aeronáutica, no EAGS (Estágio de Adaptação à Graduação de Sargentos). Isto é gratificante”, disse.

 

O maestro revela que, hoje, a Banda ainda não conta com alunos da Academia de Música, criada em 2013, na administração do prefeito Paulo Duarte. “São novos e estão sendo preparados para, no futuro, integrarem a Banda, já sabendo que esta passagem será passageira e que, um dia, eles estarão em grandes bandas do Brasil. A nossa Banda Manoel Florêncio não é profissional. Ela está aqui para formar músicos, formar cidadãos, e este papel está sendo cumprido”, finalizou.