Voo Livre une emoção, adrenalina e visual inesquecível no Pantanal Extremo

Disputado na rampa Pioneira do Morro do Urucum, o Voo Livre do Pantanal Extremo – Jogos de Aventura foi um grande desafio para os pilotos de todo o País que participaram da prova. Até mesmo os atletas mais experientes precisaram usar toda sua técnica e conhecimento para superar as condições poucos favoráveis.

 

A mais de mil metros de altura, o vento alternava muito entre extremamente forte e quase inexistente. O dust devil (redemoinho) também atrapalhou os voos e até chegou de lançar para longe alguns equipamentos que estavam espalhados pela rampa, acabando de serem montados pelos competidores.

 

Apenas quatro pilotos de parapente conseguiram subir e completar a prova, de 35 quilômetros. Depois de decolar, eles foram até a pista do aeródromo Visa, retornaram ao Urucum, e voltaram a Visa, onde aterrissaram. O campeão foi Sebastião Barcelos, o Tião Gavião, bicampeão do Pantanal Extremo.

 

Alessandro Heringer e Rogério Montes completaram o pódio. Além deles, só Bruno Newmann também conseguiu voar da rampa. A prova teve o apoio da Vale, do Corpo de Bombeiros e do 6 Distrito Naval, que deixou um helicóptero disponível para socorrer os atletas em caso de emergência. Felizmente, o recurso não precisou ser utilizado.