Stand Up Paddle: atletas realizam prova de regularidade e vivência com alunos

O final da tarde de sábado, 15, foi movimentado no Porto Geral de Corumbá, um dos palcos da segunda edição do Pantanal Extremo. Na oportunidade, 22 atletas participaram da prova de regularidade do Stand Up Paddle, enfrentando as águas do Rio Paraguai. E o espaço não estava ocupado somente por eles. Durante um bom período, tiveram que dividir com as crianças durante uma oficina de vivência nesta mesma modalidade esportiva, evento que integra o projeto “Escola Extrema”.

 

A prova de regularidade do Stand Up Paddle abriu esta etapa da programação na prainha do Porto Geral. Todos os atletas inscritos tiveram que percorrer um percurso de 2,5 quilômetros rio acima e abaixo, demonstrando muita técnica. Apesar do nome da prova, a velocidade não contava muito.

 

A prova foi acompanhada pelo presidente da ABSUP (Associação Brasileira de Stand Up Paddle), Ivan Floater. Ele informou que a disputa foi adaptada para não desgastar muito os atletas que neste domingo, 16, pela manhã, ele têm que percorrer 30 quilômetros rio abaixo, do Tuiuiú até a prainha do Porto Geral.

 

“Esses caras que estão aqui, estão preparados para qualquer tipo de situação e sabemos da grande dificuldade que eles terão aqui, no pantanal, quando se trata de uma prova de grande distância, como a de domingo. Eles vão tem que enfrentar muito sol e calor. Por isso hoje (ontem), resolvemos fazer uma prova de regularidade onde o que importa mesmo, é completar o percurso com muita técnica e não em menor tempo”, explicou Ivan.

 

Para Ivan, a disputa foi bom para que os atletas conheçam o que vão enfrentar neste domingo. “Os participantes aproveitaram para conhecer e estudar como enfrentar o calor, como vão administrar a quantidade de água consumida e o ritmo utilizado, e para que eles quebrem as barreiras dos perigos que existem no Pantanal. Foi bom para trabalhar o psicológico de todos”.

 

A prova foi dividida em dois grupos, cada um com 11 competidores de vários lugares do Brasil, inclusive o campeão do ranking do SUP que veio para participar do Pantanal Extremo. Quem também participou foi o prefeito Paulo Duarte, que participou da primeira bateria, e o secretário de Industria e Comércio, Pedro Paulo Marinho de Barros, presente na segunda. Todos completaram o percurso sem dificuldade, mas só saberão o resultado hoje, junto com a prova de 30 km.

 

Enquanto o segundo grupo subia o Rio Paraguai, outros atletas participaram de uma experiência diferente. Eles comenadaram a oficina de vivência com 19 alunos do quinto ano da Escola Municipal José de Souza Dammy. Foi o seguimento de um trabalho sobre o esporte na escola, por meio do projeto Escola Extrema.

 

A secretária de Educação, Roseane Limoeiro, acompanhou os alunos e disse que o projeto “Escola Extrema” representa uma renovação na educação, já que envolve o meio ambiente e dá uma nova cara ao esporte.

 

“Estamos trabalhando com um novo conceito de aulas onde você consegue ultrapassar os muros da escola. Isso é a renovação na educação. É gratificante ver a alegria dessas crianças, vê-las adorando, e o melhor disso, é que elas estão aprendendo com os melhores atletas”, disse Roseane.

 

Para o prefeito Paulo Duarte, essas vivências têm como objetivo levar alguns esportes as crianças corumbaenses. “Na sexta a oficina foi no Parque Marina Gattass e pudemos levar muitas crianças que não conheciam aquele espaço e nem mesmo a canoagem. Hoje, ouvir muitos pais me agradecendo pela oportunidade que seus filhos estão tendo em manter esse contato com a natureza, e vê-los nesse estado de êxtase, é muito gratificante”.

 

Sobre a prova, Duarte disse que foi importante e que também teve uma vivência. “Hoje (ontem) eu participei de um vivência de 2,5 km pelo rio para me preparar para a prova de domingo que será de 30 km. Meu objetivo é terminar o percurso, afinal no ano passado eu nem conseguia ficar em pé na prancha”, revelou.