Série B deixa legado de trabalho, planejamento e organização no Carijó

O título da Série B do Campeonato Estadual de Futebol não veio, por muito pouco, mas o trabalho realizado pela diretoria, comissão técnica e jogadores do Corumbaense ao longo da competição fica como legado para o clube, que neste ano comemora seus 100 anos de fundação.

 

“Estamos de volta para a Série A, nosso principal objetivo neste ano. Claro que queríamos o título, só que infelizmente não deu. Jogamos melhor o primeiro tempo e tivemos várias chances de matar o jogo. No segundo tempo, houve um apagão e sofremos dois gols em cinco minutos. O futebol tem disso, por isso ele é tão apaixonante” avaliou o prefeito Paulo Duarte após o empate em 2 a 2 no Arthur Marinho.

 

Como venceu o jogo de ida por 1 a 0, a Serc foi a campeã da competição. “Mas trabalho feito aqui não pode ser avaliado só por este jogo. O Cláudio e toda sua comissão mostraram comprometimento com o clube, com a cidade e com os nossos torcedores. E isso tudo fica de legado para o ano que vem”, completou o prefeito, que entregou o troféu ao time campeão e depois foi até o vestiário conversar com os jogadores do alvinegro pantaneiro.

 

“Criamos oportunidades e, acredito, até merecíamos a vitória, mas temos que reconhecer a força do Chapadão. A equipe veio muito bem armada e fez dois ótimos jogos contra a gente”, disse o treinador Cláudio Roberto. A final da Série B foi o jogo de maior público do Estadual, incluindo a Série A, em 2014. O Arthur Marinho esteve bem próximo de sua capacidade total de 5 mil pessoas. Foram 4850 espectadores para uma renda de R$ 26.050,00.  

 

E com o apoio da torcida, o Corumbaense abriu o placar logo aos 7 minutos do primeiro tempo com Jullyan. Na segunda etapa, a Serc empatou a aos 2 minutos, com Thiaguinho. Aos 10, o mesmo jogador colocou os visitantes na frente. O empate do alvinegro pantaneiro veio só aos 22, com Rodolfo cobrando um pênalti sofrido por Neto, dando números finais ao confronto.