Usuários aprovam e dizem que nova empresa representa “fim de um sofrimento”

Quebras constantes, poucos veículos nas linhas e um serviço de má qualidade já fazem parte do passado. Nesta sexta-feira, 31 de outubro, a nova empresa concessionária dos serviços de transporte coletivo no Município de Corumbá entrou em operação, com novos ônibus conduzindo trabalhadores que, após muitos anos, conseguiram chegar antes mesmo do horário de início do expediente.

 

Logo nas primeiras horas da manhã, na Estação Transbordo ao lado do antigo mercadão, na Rua Tiradentes, o movimento era grande. O fluxo de passageiros já era intenso. Eram trabalhadores que chegavam do Guató, Guanã, Nova Corumbá, Cristo Redentor, Popular Nova, Popular Velha, Guanabara, Jardim dos Estados, Maria Leite, Dom Bosco, além de outros bairros, que, até ontem, acordavam logo cedo, para pegar o primeiro ônibus, para tentar chegar no horário de início do trabalho.

 

Foi o caso do trabalhador no ramo de hotelaria Matheus de Souza Leite. Morador no Bairro Maria Leite, ele desembarcou na Estação Transbordo com certa antecedência. “Peguei o ônibus as 06h30 pra chegar aqui as 07 horas. Foi dentro do horário. Antes, tinha que sair mais cedo de casa e, mesmo assim, atrasava. Isto era constante”, revelou. “Para não atrasar, muitas vezes tinha que pegar o ônibus de Ladário”, completou.

 

Uma boa parte dos usuários chegava na Estação Transbordo, desembarcava e seguia para o centro da cidade. Como o comércio abre às 08 horas, a alternativa foi aguardar na porta das lojas. Isto, até a última quinta-feira, 30, não ocorria. Geralmente o trabalhador chegava atrasado.

 

Outra novidade relatada pelos usuários foi a troca de veículos. Um grupo do Bairro Maria Leite desembarcou por volta das 07 horas. A sequência da viagem seria em outro veículo que faz a linha do Dom Bosco.

 

“Antes, a gente vinha do Maria Leite, passava por aqui e seguia para o Dom Bosco. Sempre atrasava. A gente chegava depois das 08 horas, isto quando não ia a pé”, dizia Joelma Maria Alves, uma das pessoas que aguardou cerca de 10 minutos e já embarcou em outro ônibus com destino ao bairro Dom Bosco. “Agora vai ser mais rápido. Chega de sofrimento”, acentuou.

 

Outra integrante do grupo, Valdenice Vera, revelou que chegou a comprar uma bicicleta para não depender mais de ônibus e não chegar mais atrasada no serviço. “Que bom que esta nova empresa entrou na cidade. Graças a Deus isto está acontecendo”, celebrou.

 

Conforto

 

Além do maior número de veículos transitando pela cidade (18 iniciaram nas linhas urbanas e três na rural) e a pontualidade, outro assunto que tomou conta das conversas no início da manhã desta sexta-feira, foram as condições dos ônibus. Os 25 (além dos 21 circulando existem quatro de reservas, três para a área urbana e um na rural), são todos zero quilômetro, e isto também foi motivo de elogios. Quem comprovou isto foi Mario Ibanhez, morador no Cristo Redentor. Conforme ele, além da rapidez, os ônibus “são bem mais confortáveis”.

 

O novo serviço foi elogiado também pela presidente da Associação de Moradores da Nova Corumbá, Ivanilda Gonçalves dos Santos. Na apresentação da frota, ela falou em nome das associações e enalteceu a decisão do prefeito. “Muitos tentaram e não conseguiram. Temos que agradecer ao prefeito Paulo por esta conquista”, frizou.

 

Ivanilda lembrou fatos ocorridos recentemente em várias regiões do Brasil, quando ônibus foram quebrados, queimados. “O quebra-quebra não chegou aqui. Poderia ter chegado. O serviço era horrível, mas não tivemos quebra-quebra”. Enalteceu o prefeito observando que ele e sua equipe se empenharam e mostraram que os problemas devem ser resolvidos “a partir de baixo, pelos próprios municípios. Hoje, Corumbá é um exemplo para os outros municípios do País”, concluiu.

 

A nova empresa concessionária dos serviços de transporte coletivo entrou em operação nesta sexta com 21 ônibus circulando diariamente. Somente na área urbana a cidade conta com um veículo na linha do Universitário; dois atendendo o Maria Leite; um no Dom Bosco; dois na linha da fronteira; dois na linha da Popular Velha; três no Guanabara; três na linha do Guató; dois na do Cristo Redentor, e dois fazendo a linha da Popular Nova.