Corumbá inicia formação de professores com o programa escolas de fronteira

Aberta na noite dessa segunda-feira, 04, uma nova etapa do Programa Escolas Interculturais de Fronteira (PEIF). A formação, promovida pelo Ministério da Educação do Brasil em parceria com órgãos educacionais dos países vizinhos, e apoio da Prefeitura de Corumbá, foi realizada no auditório do SESC Corumbá e contou com integrantes de escolas pertencentes à faixa de fronteira de Corumbá com Puerto Quijarro, na Bolívia.

 

 

A abertura contou com dois momentos culturais apresentados por ex-alunos do Instituto Moinho Cultural Sul-americano e o poeta e repentista do Município de Corguinho, Ruberval Cunha. A apresentação contou com um animado pout pourri de músicas bolivianas e brasileiras, e, logo após, uma divertida e cultural dinâmica com os participantes.

 

Representando o prefeito Paulo Duarte, a vice prefeita e diretora-presidente da Fundação de Cultura de Corumbá, Márcia Rolon, falou sobre a importância do programa. “Dentro da fronteira, o mais importante que a gente precisa conquistar é o respeito”, disse. “O que esperamos é que as pessoas cheguem a Corumbá e tenham um olhar diferente”, destacou, acrescentando que o seu maior objetivo é que o PEIF seja a porta de entrada para o sonho de ver uma cidade que fale também o castelhano, e que as crianças tenham essa pertença territorial.

 

A secretária de Educação, Roseane Limoeiro, celebrou a conquista. “Sim, nós temos tudo para dar certo, a partir desta formação continuada. A educação de Corumbá, fronteira com a Bolívia, tem muito que ganhar com o Programa Escolas Interculturais de Fronteira”, destacou.

 

Palestra

 

Iniciando os trabalhos, o professor mestre, Paulo Alves da Silva, e membro da equipe técnica do Programa Escolas Interculturais de Fronteira, do MEC, falou sobre a necessidade de promover a integração regional, por meio da Educação Intercultural“.

 

 

“É importante que os professores passem por uma atualização sobre a diversidade cultural e linguística, tratando os alunos de origens diferentes não como uma dificuldade, mas como uma oportunidade de enriquecer o aprendizado de todos”, observou.

 

 

Durante o encontro, a mesa foi composta pela professora e doutora Luciene Machado Garcia, coordenadora geral do Programa Escolas Interculturais de Fronteira/Corumbá; Edgar Aparecido da Costa, diretor da UFMS, Campus Pantanal; Juan Pablo Suyo, do Distrital de Educação de Puerto Quijarro; professora e doutora Gicelma Fonseca Chacarosqui Torchi, diretora do PEIF da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD).