Em Corumbá, Centro de Fisioterapia é referência em atendimento terapêutico

Em um novo endereço, o Centro de Fisioterapia de Corumbá já está sendo apontado como uma referência no Mato Grosso do Sul, em atendimento terapêutico. Desde o início da década passada funcionando na estrutura do antigo Mercado Municipal, ao lado da estação transbordo, o setor está instalado agora em um prédio dotado de melhores condições, na Rua América, 427, entre as ruas Tiradentes e Ladário, centro da cidade, e foi visitado inclusive pelo presidente do Conselho Estadual de Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Carlos Alberto Eloy Tavares.

 

O setor está funcionando no Complexo da Saúde desde o dia 08 de julho, quando o prédio foi entregue pelo prefeito Paulo Duarte, e trouxe mais qualidade no atendimento à população corumbaense. E, na nova estrutura, passou a atuar com maior abrangência, oferecendo atendimento nas especialidades de Fisioterapia da Saúde do Trabalhador, Fisioterapia da Saúde da Mulher, Fisioterapia Neurológica, Fisioterapia Respiratória e Fisioterapia Ortopédica.

 

A unidade é coordenada pela fisioterapeuta Cintia Urquiza de Carvalho, e funciona nos períodos das 07 às 11 horas e das 13 às 17 horas, e conta com seis profissionais que são responsáveis pelo atendimento de 120 a 150 pacientes, diariamente. Cintia explica que a tendência é aumentar a clientela, já que dois novos projetos estão sendo implementados pela Secretaria de Saúde da Prefeitura, que vão influenciar positivamente na qualidade de vida de pessoas que sofrem de dores crônicas.

 

A coordenadora do setor de fisioterapia da Prefeitura revelou que, durante este mês de julho, os serviços disponibilizados melhoraram sensivelmente. E a explicação foi justamente devido à mudança de endereço. O centro deixou um prédio sem estrutura necessária e passou a funcionar em um local mais adequado.

 

“Em relação às instalações antigas, a melhora no atendimento está sendo significativa. Como trabalhamos com pessoas idosas, 90%, que sofreram traumas pesados, devemos ter o máximo de carinho e atenção com os pacientes e, com a individualização no atendimento, estamos podendo dar maior atenção aos pacientes. Até mesmo o fator emocional melhora, sabendo que ele está sendo atendido em um box fechado, com porta e mais privacidade”, explica.

 

Cintia lembra que, logo após a entrega do complexo, o presidente do Conselho, Carlos Alberto Eloy Tavares, visitou o local, elogiou muito as novas instalações, os serviços oferecidos, e comparou com outras cidades do estado que disponibilizam de atendimento fisioterápico pelo SUS e em clinicas particulares. “Ele atestou que o atendimento está muito melhor aqui”, enfatizou.

 

Novos projetos

 

O novo espaço, segundo Cintia Assad, permitiu também a ampliação de serviços e dois novos projetos estão sendo incorporados ao setor: “Melhor em Casa” e “Bandagem Terapêutica”. O primeiro, coordenado pelo fisioterapeuta Marcelo Nunes Araújo, possibilitou inclusive o atendimento por meio da acupuntura, um antigo sonho da Administração Municipal, no Centro de Fisioterapia, desenvolvido pelo fisioterapeuta Maximiliano Eduardo F. Santana.

 

E a acupuntura somente está sendo possível a partir da mudança. “Agora, com um espaço mais adequado, pudemos trazer mais esta especialidade da fisioterapia à população de Corumbá, e o que é melhor, com qualidade. É um trabalho pioneiro no estado, e até mesmo no país. São poucos locais que oferecem à população um tratamento deste. E por ser um trabalho preventivo, é de suma importância para a qualidade de vida das pessoas”.

 

O “Melhor em Casa” é um projeto do Governo Federal que vai abranger toda a população corumbaense. Consiste no atendimento residencial por meio de uma equipe multidisciplinar com médico, enfermeiro, auxiliar de enfermagem, fisioterapeuta, nutricionista, assistente social e, se for o caso, até mesmo um dentista. O trabalho está no começo com adequação e levantamento dentro dos critérios do programa junto às unidades de saúde do Município.

 

Desenvolvido pela fisioterapeuta Vanessa Regina Barbato Tafarel, o projeto “Bandagem Terapêutica” dará suporte às terapias oferecidas, por meio de um trabalho que visa a redução da dor, espasmos e edemas. É utilizada nos casos em que somente a terapia convencional não está resolvendo. O projeto já foi aprovado e, embora ter um custo elevado, A Prefeitura não está medindo esforços para implementá-lo, o que vai assegurar melhoria da qualidade de vida das pessoas. “Já estamos na fase de aquisição dos materiais e muito em breve iniciaremos a execução”, apontou Vanessa.

 

O atendimento

 

Hoje o setor atende uma média de 120 a 150 pessoas por dia. Todas são encaminhadas pelos médicos das unidades de saúde mantidas pelo Município. Cintia explica que “com encaminhamento em mãos, o paciente deve se dirigir ao Centro de Fisioterapia para o agendamento. Hoje, com a ampliação da estrutura, o tratamento leva cerca de 10 dias para ser iniciado”, observa. Sempre é bom lembrar que, além do encaminhamento, o paciente deve trazer documentos pessoais como o RG, CPF e cartão do SUS.

 

Um dos pacientes do Cento de Fisioterapia é Benedito Cipriano dos Santos, 56, morador do Centro América. Ele sofreu um AVC e diz que o resultado está sendo positivo. “Na segunda seção os movimentos já melhoraram. O atendimento aqui é bom, e as doutoras são atenciosas”.

 

Nidoval Pereira Garcia, 59 anos, também comemora. “Agora sim o tratamento está tendo resultado. Eu tomei todos os medicamentos e não sentia melhora. Agora, na quinta seção, estou bem melhor do meu braço. Fui bem atendido e as instalações estão boas”, afirmou o aposentado que sofre de uma tendinite supra espinhoso no braço esquerdo. “Estou melhorando. O atendimento aqui está bom, a doutora atende bem, não teve demora e aqui é mais bonito”, comentou o também aposentado Gerônimo Parabá Estácio, de 61 anos, que começou a se tratar no antigo prédio do mercadão.

 

Quem também tem motivos para celebrar o novo espaço é Solange Barbato, paciente reincidente que começou o tratamento quando o centro funcionava no prédio do Mercado Municipal. “Melhorou 100%. Lá também era bom, mais aqui tem mais comodidade, mais recursos, ficou muito mais bonito e apresentável. Eu gostei, achei muito bom”.

 

Os jovens também estão buscando atendimento no novo Centro de Fisioterapia da Prefeitura, e aprovam. É o caso de Joilson Arteaga, 16 anos, que sofreu uma lesão no tornozelo jogando futebol. Está na quinta seção e confidencia que “o agendamento foi rápido e já está tendo resultado. As dores diminuíram e eu já estou conseguindo andar sem mancar”, concluiu.