Proprietários têm até final do mês para retirar sucatas da orla portuária

Os proprietários de sucatas e carcaças de embarcações que estão ancoradas ou encalhadas na orla portuária estão com prazo até o final de abril para retirada desse material do local. É o que informa a diretora-presidente da Fundação de Meio Ambiente do Pantanal, Luciene Deová, observando que a fiscalização foi iniciada no final do ano de 2013, e muitos já providenciaram a limpeza da área, especialmente na região conhecida como Prainha Vermelha, no Porto Geral de Corumbá.

 

“Iniciamos esta ação em 2013, fiscalizando e notificando os proprietários para que retirassem as carcaças e sucatas de embarcações deixadas na orla. “Esses resíduos, além de causar um impacto visual, impedem a regeneração da vegetação nativa, altera a qualidade da água, além de violar o Código de Posturas do Município”, disse Deová, reforçando que quem não atender, está sujeito a medidas administrativas.

 

A ação está sendo desenvolvida em conjunto pelas fundações de Meio Ambiente, de Desenvolvimento Urbano e Patrimônio Histórico e de Turismo do Pantanal. Neste primeiro momento se concentrou na Prainha Vermelha, localizada na Orla Portuária, centro histórico de Corumbá. Visa mitigar os impactos ambientais causados pelo abandono das carcaças e sucatas de embarcações.

 

O primeiro passo foi levantar os proprietários das carcaças e sucatas. Após este trabalho, a Fundação do Meio Ambiente do Pantanal efetuou sete notificações com prazos de 30 dias para retirada do material. “Alguns proprietários não foram localizados, por isso publicamos notificação no Diário Oficial, convocando estas pessoas para comparecerem à Fundação, para tratar da questão”, explicou Deová.

 

Conforme ela, alguns proprietários atenderam, solicitaram que o prazo fosse prorrogado ao chamado, solicitando prorrogação de prazo para a retirada dos resíduos do local. Ao m esmo tempo, outros já iniciaram a retirada. “Isto mostra que eles, além do empenho para cumprir as determinações, também desejam colaborar no que for preciso para minimizar possíveis danos ambientais”, comentou, lembrando que a orla deve estar limpa até o final do mês.

 

Para retirar as carcaças e sucatas das embarcações, os proprietários estão utilizando guincho, sendo necessária inclusive a utilização de equipamentos elétricos (maquitas) para facilitar a retirada das peças. “O trabalho está sendo considerado satisfatório. Isto está sendo importante para despoluir a orla e liberar espaço para as embarcações que utilizam o canal de navegação”, explicou.