Prefeitura de Corumbá prepara ações para o centenário de Lobivar Matos

A Prefeitura de Corumbá está se preparando para os 100 anos de nascimento do poeta corumbaense Lobivar Matos, que ocorrerá em janeiro de 2015. Ele, que se autoalcunhou “poeta desconhecido” e por décadas cumpriu o estigma da alcunha, ganhará amplitude em várias ações previstas ao longo deste e do próximo ano.

 

A programação está a cargo da Fundação de Cultura de Corumbá. “Desde o ano passado, estamos nos preparando para esse centenário, então o primeiro momento é a reorganização da biblioteca municipal Lobivar Matos. Solicitamos ao Governo do Estado a doação da biblioteca estadual para o município com a intenção de unificar esse arquivo. Dessa forma, então, agora, temos 30 a 40 mil itens reunidos dentro de um único acervo, o da Biblioteca Municipal Lobivar Matos”, disse a vice-prefeita e diretora-presidente da Fundação, Márcia Rolon, ao começar a elencar as ações para o centenário lobivariano.

 

Com a aprovação do projeto no FIC-MS (Fundo de Investimentos Culturais), o Núcleo de Arquivo e Memória do Município também terá importante papel na conservação e divulgação do legado literário deixado por Lobivar.

 

“Conseguimos com a pesquisadora Susylene Dias Araujo, algumas obras do poeta que serão incorporadas pelo Núcleo. São textos, anotações e livros inéditos datilografados e outros manuscritos pelo próprio Lobivar, como ‘Renda de Interrogações’ e ‘Cacos de Vida: contos’”, explicou Rolon, que aproveitou para explicar qual será a nova configuração da Biblioteca Municipal, após a revitalização proporcionada pelo PAC Cidades Históricas ao prédio da Casa de Cultura Luiz de Albuquerque (ILA).

 

“Estudando o complexo cultural que será criado com as reformas do ILA e da antiga Comissão Mista, resolvemos deixar todos os equipamentos juntos para potencializar esse espaço cultural. Assim, o Arquivo Público e a Biblioteca ficarão mesmo no ILA, mas com uma estrutura toda refrigerada e proteção acústica para não ter o impacto de outras atividades como a dança, a música”, disse Márcia ao estimar que, nesses moldes, passem pelo local cerca de mil pessoas por dia, potencializando ainda mais público para a Biblioteca.

 

Republicação e materiais inéditos

 

Lobivar Matos faleceu ainda jovem, com 32 anos, em 1947, e apenas duas de suas obras foram publicadas, cada uma, em única edição: Areôtorare (1935) e Sarobá (1936). Apesar de curta, a produção do poeta corumbaense é densa e situada na vanguarda de Mato Grosso do Sul, pois se compunha de estética e temas modernistas, movimento artístico que aflorava nos grandes centros do país, porém ainda não mostrava sua presença no interior do território nacional.

 

“Estamos pensando em republicar Sarobá e Areôtorare num formato de caixa, com os dois livros, mais os livros inéditos, além de cartas e o último poema que ele escreveu antes de morrer. São materiais raríssimos que temos. Pleiteamos colocar o nome de Lobivar como reconhecido pela Literatura Brasileira, pois já enviamos um ofício para a Biblioteca Nacional falando sobre o poeta e cada obra dele”, comentou a diretora-presidente da Fundação de Cultura de Corumbá.

 

Força na Literatura

 

Com a comemoração do centenário de nascimento de Lobivar, o setor literário de Corumbá ganha reforço através de projetos como “Caminhos da Cultura” e “Flipan (Feira Literário do Pantanal)”.

 

“O ‘Caminhos da Cultura’, em parceria com SESC, começa em julho, quando iremos a todas as escolas municipais, praças, e locais onde der para colocar a carreta do SESC, com ações de Literatura, rodas de leitura e, no final de cada atividade, vai ter uma produção artística, de preferência, artes plásticas voltada para Literatura”, explicou Márcia Rolon que ainda anunciou a realização de um grande evento literário em outubro.

 

“O ‘Caminhos da Cultura’, vai culminar, em outubro, com a Feira Literária, que terá também terá muito movimento com rodas de leitura, teatro e demais atividades. A neta do Lobivar Matos, que também é poeta, virá em Corumbá na época da Feira para falar sobre processos criativos. Vamos colocar a Literatura num patamar diferente, não somente da leitura, mas da dança, da música e do teatro”, afirmou.

 

Por sugestão da Fundação de Cultura de Corumbá, Lobivar Matos é um dos homenageados da 11ª edição do Festival América do Sul, previsto para acontecer entre os dias 30 de abril e 04 de maio, em Corumbá.

 

Reconhecimento

 

Ator e produtor cultural, Salim Haqzan, é um dos que, primeiramente, levantou a bandeira por fazer conhecer “o poeta desconhecido”. Ele conheceu Lobivar numa de suas incursões pela Biblioteca Municipal que guarda dois raros exemplares das obras publicadas do poeta. Corumbaense apaixonado por sua terra, assim como Lobivar, Salim vê com entusiasmo ações para divulgar o nome a obra de Matos.

 

“As pessoas estão começando a ser olhar no espelho e preocupar em enxergar aquilo com que realmente elas têm identidade, com o que elas realmente se identificam porque a gente vive numa superficialidade tão grande nesse mundo digital das redes sociais que deixam a nossas relações sejam, cada vez, mais banalizadas. Voltar para um poeta que, além de ter um conceito modernista muito precoce, usou do primeiro livro dele, mesmo percebendo as próprias vaidades, para pedir aos poetas tivessem uma nova visão de mundo. Isso ele escreveu com 18 anos de idade”, disse Haqzan ao lembrar do caráter que faz com que Lobivar seja reverenciado por quem tem acesso aos seus escritos.

 

Referência da Literatura Sul-mato-grossense, o escritor e poeta, Augusto César Proença, também vê com uma justa homenagem as ações estruturadas para celebrar o centenário de nascimento do poeta corumbaense.

 

“Apesar de ter ido para o Rio de Janeiro, ainda escreveu muito sobre Corumbá numa época que ela era ainda aquela de outrora. A poesia de Lobivar teve e tem uma porção social, sempre fez a poesia voltada para a gente simples, humilde. É um poeta muito significativo para nossa terra. O Manoel de Barros sempre falou muito do Lobivar, destacando que ele foi muito esquecido em sua terra e, agora, com a homenagem e as ações da Fundação de Cultura de Corumbá, o Lobivar ganha mais projeção”, avaliou.

 

Conheça o poema de Lobivar com o qual ele se autoalcunhou “o poeta desconhecido”

 

O Destino do Poeta Desconhecido

Eu sou o poeta desconhecido…

Andei de cidade em cidade;

Caminhei por vilas, grutas e montanhas;

Atravessei riachos, pantanais imensos;

Venci, afinal, todas as distâncias

Com o mesmo heroísmo selvagem

De minha tribo, forte e guerreira…

A ilusão é minha amiga e meu consolo.

Trago comigo o grito aterrorizante

de um povo oprimido dentro de si mesmo…

a Coragem dos homens rudes de minha terra

lateja em mim,

palpita no meu sangue

e vibra, voluptuosa, em todo o meu ser…

A vida me embriaga e me aborrece…

Trago comigo todas as lendas boróras.

A grandeza de minha raça

Fala nos meus cinco sentidos,

Dança no círculo de ouro das minhas emoções

E canta no ritmo tumultuoso dos meus versos.

A felicidade me ilude, a mulher me desilude…

Trago comigo, à minha alma presa,

A inútil esperança da vitória.

A bondade de minha gente

fulgura, cintilante, nos meus feitos,

rola, estuante de harmonia, nos meus gestos

e floresce, orvalhada de luz, nas minhas atitudes.

Busco sem cessar, dia e noite,

Numa luta generosa e boa,

Luz para a Razão, pasto para a Inteligência.

Eu sou o poeta desconhecido.

Não sei o destino que me espera,

Porque sou o próprio destino.

(Do livro Areôtorare)