Com piscicultura, Prefeitura quer incrementar a merenda escolar da Reme

A Prefeitura de Corumbá trabalha para incrementar o valor nutricional e o sabor da merenda escolar dos alunos da Rede Municipal de Ensino (Reme) com a introdução do peixe no cardápio das escolas, centros de educação infantil e das creches mantidas pelo Município, por meio da Secretaria de Educação.

 

O primeiro passo foi dado nessa quarta-feira, 19, com a parceria estabelecida pelo prefeito Paulo Duarte com a Vetorial e Embrapa Pantanal, visando a produção de peixes em cativeiro, em uma área cedida pela mineradora, na região de Maria Coelho.

 

Duarte visitou o local na tarde de quarta-feira e mostrou-se otimista com o início da produção de pescado em um espaço que contará com 11 grandes tanques já no início da produção. O prefeito estava acompanhado do secretário Pedro Lacerda, de Produção Rural; da diretora-presidente da Fundação de Meio Ambiente, Luciene Deová, e da Chefe-Geral da Embrapa Pantanal, Emiko Resende. Na área ele se encontrou com o gerente de Sustentabilidade da Vetorial, Nilzo Plazzi.

 

“A Prefeitura, por meio da Secretaria de Produção Rural e da Fundação de Meio Ambiente do Pantanal, vai administrar a piscicultura, com apoio técnico da Embrapa Pantanal, em um espaço que nos está sendo cedido pela mineradora Vetorial”, anunciou o prefeito.

 

Após a visita às instalações, Paulo comentou que, “além de contribuir para a repovoação de peixes nos nossos rios, esses pescados irão enriquecer a merenda escolar, sendo consumidos pelas nossas crianças e adolescentes da Reme e, claro, podendo vir até a atender outras eventuais demandas. Acredito até que esse projeto estimulará outros empresários e empreendedores a investirem também na piscicultura”.

 

O prefeito lembra que o peixe é uma excelente fonte de proteínas completas, ferro e outros minerais, além de conter ácidos graxos ômega-3, responsáveis por grande parte da enorme lista de benefícios à saúde que o peixe traz.  “Esta parceria que estamos fazendo com a Vetorial será de extrema importância. Em breve poderemos incluir o peixe na merenda escolar, beneficiando os mais de 16 mil alunos da Reme. Além disso, vai contribuir para melhorar a renda de famílias da região de Antônio Maria Coelho, que poderão trabalhar no projeto”, explicou.

 

O prefeito ressalta ainda que o projeto poderá incentivar empresários locais a investir na piscicultura, o que permitirá reverter uma situação que ele próprio classificou como lamentável. “Um município de 65 mil km2, capital do Pantanal, banhado por uma das principais bacias hidrográficas do Brasil ter que comprar peixe de fora, é um contrassenso”, comentou.

 

Hoje, supermercados existentes na cidade, trazem peixes nativos da região, como o pacu, cachara e o pintado, de outras cidades, todos produzido em cativeiro. São importados de Itaporã, Campo Grande e até de Miranda. Paulo ressalta que isto se deve à redução drástica da população de peixes nos rios que cortam o Município, principalmente o maior deles, Paraguai.

 

“Hoje a piscicultura é uma realidade, responsável pela produção da metade dos pescados consumidos pela população mundial. Em Corumbá temos que importar o pacú, o pintado, o cachara e outros peixes nobres da nossa região, de outras cidades, quando poderíamos ter aqui mesmo as nossas pisciculturas”, comentou, para lembrar que a Prefeitura e os parceiros estão dando este primeiro passo “para Corumbá se tornar autossuficiente na produção de pescado e, quem sabe, até contribuir para repovoar os nossos rios”.

 

“No que depender da Prefeitura, essa realidade começa a mudar já a partir de março. Estivemos na região de Maria Coelho, onde iniciaremos um grande projeto de piscicultura com previsão de produção semestral de 10 mil alevinos de pacú e cachara”, explicou.